terça-feira, 10 de março de 2009

Ex-jogador do Inter é arma do Lyon contra o Barcelona

"Mudei minha forma de jogar", diz meia Ederson sobre a reviravolta na carreira

Por: Amauri Knevitz Jr. - zerohora.clicrbs.com.br

As passagens de Ederson pelo Inter e pelo Juventude, em 2004, foram obscuras. Prejudicado por lesões e pela ansiedade de mostrar serviço em um grande clube, o jovem meia não consegui se firmar na ocasião. Porém, cinco anos depois, aos 23, depois de passagens por clubes do interior da França, ele entra em campo nesta quarta-feira como titular e destaque do Lyon, que enfrenta o Barcelona pelas oitavas-de-final da Liga dos Campeões. Em entrevista a zerohora.com por e-mail, o jogador revelado pelo RS, de Alvorada, fala sobre a passagem pelo futebol gaúcho, a reviravolta na carreira e o desejo de um dia voltar a jogar no Brasil.

Confira:

Zero Hora — A que fatores você atribui o sucesso que tem feito no Lyon?

Ederson — O fato de ter sido muito bem recebido por todos aqui no Lyon facilitou muito minha adaptação no grupo. Os brasileiros (Juninho, Cris, Fred, Fabio Santos, Sonny Anderson) são ótimas pessoas e também me ajudaram desde a minha chegada, fazendo com que me sentisse bem e confiante para demonstrar meu futebol em campo. Além disso penso que não é possível ter sucesso pessoal sem um bom rendimento coletivo. Hoje estou muito feliz de estar em um clube como o Lyon que oferece grande estrutura e qualidade de trabalho. Creio que tudo o que conquistei até hoje é o resultado de muito trabalho, determinação e profissionalismo.

ZH — Sentiu muitas diferenças com relação a ambiente, clima e estilo de futebol, ou se adaptou rapidamente?

Ederson — Já faz quatro anos que estou na França, cheguei no Club OGC Nice em janeiro de 2005, com 19 anos, e naturalmente tive algumas dificuldades. No início tudo era diferente, idioma, cultura, clima, e também o estilo de jogo, mas superei tudo isso com muita determinação. Procurei aprender o idioma o mais rápido possível para facilitar minha adaptação cultural e futebolística, e, à medida em que fui aprendendo o idioma, tudo foi ficando mais fácil. Passei por momentos difíceis: algumas lesões, a saudade da família e dos amigos, o estilo de jogo do futebol francês, mas sabia que teria que ser forte e superar tudo isso para realizar meus sonhos. Penso que começamos a ver obstáculos quando tiramos de nosso foco os nossos objetivos, por isso que sempre procurei estar sempre concentrado em minhas metas, determinado em alcançá-las. Minha adaptação aqui no Lyon foi mais fácil, em comparação com a minha chegada ao Nice, porque hoje conheço bem o Campeonato Francês, o idioma, e estou tendo a oportunidade de progredir em um clube que disputa a Champions League e que está sempre na briga por títulos.

ZH — Você mudou sua forma de jogar na Europa, como acontece com muitos brasileiros?

Ederson — Inevitavelmente acabei mudando a minha forma de jogar. Quando jogava no Brasil, pensava somente em driblar e jogar pelo prazer. Chegando na Europa, uma das primeiras coisas que aprendi foi ter que jogar simples e rápido, saber defender e atacar. O futebol europeu é jogado com muita intensidade e dinamismo em espaços curtos e muitas equipes jogam de forma compacta. Penso que melhorei muito nesses quatro anos, tanto fisicamente como taticamente, e continuo melhorando a cada treino e a cada jogo.

ZH — Leva uma bagagem da sua longa passagem pelo futebol gaúcho (RS, Inter e Juventude)?

Ederson — Passei um período importante de minha vida no Rio Grande do Sul, onde encontrei pessoas maravilhosas com as quais tenho contato até hoje, minha madrinha Mariu e sua familia, meu padrinho Edi que foi massagista no Inter e também no RS, meu amigo Renato, Valdir Oliveira "Foguinho", assim como o Paulo César Carpeggiani e sua família. Cheguei ao RS Futebol com 15 anos e tive a oportunidade de trabalhar e aprender muito com os técnicos Júlio Camargo "Julinho", Júlio César "Galego" e também com os preparadores físicos Daniel "Dada" e William Tomas. São profissionais que admiro muito e que agradeço por tudo o que me ensinaram. Em 2001, nosso primeiro ano de trabalho juntos, fomos vice campeões do Gauchão sub-17 e depois trabalhamos na equipe profissional do RS. Amadureci mais rápido jogando com o RS torneios internacionais e, a partir dos 16 anos, jogando no time profissional, com os conselhos do Carpegiani. Foi jogando no RS que tive a oportunidade de ser convocado para a Seleção Brasileira sub-17, com a qual fui campeão do mundo da categoria em 2003, na Finlândia. Minha passagem pelo Inter e Juventude foram breves. No Inter estive somente cinco meses, joguei pouco devido a lesões. No Juventude joguei somente quatro meses. Em ambas as equipes tive a felicidade de trabalhar com grandes jogadores, ótimos profissionais e ótimas pessoas. Com certeza trago em minha bagagem a raça e a pegada gaúcha, assim como momentos difíceis, momentos de satisfação, felicidades e alegrias. Tudo isso faz parte de meu aprendizado e da experiência vivida no Rio Grande do Sul.

ZH — Por que você acha que não teve uma sequência maior no Inter? Guarda alguma mágoa?

Ederson — Após um ótimo ano de 2003 com o RS, muitos times mostraram interesse em mim, mas acabei dando a preferência ao Inter, para onde fui emprestado no início da temporada de 2004, por um ano. Infelizmente acabei sentindo uma lesão logo no final da pré-temporada. Uma inflamação na inserção do músculo posterior da coxa direita e depois outra na coxa esquerda acabaram me atrapalhando muito. Não conseguia treinar e, consequentemente, acabei jogando pouco. Quando nos aproximamos do meio do ano, RS e Inter entraram em acordo para que eu voltasse ao RS, para aguardar a conclusão de uma transferência para o futebol europeu, que acabou não acontecendo. Não dando certo a transferência para o futebol europeu, alguns meses depois o RS entrou em acordo com o Juventude e em setembro fui emprestado até o final do ano. Não guardo nenhuma mágoa, mas certamente se naquele momento eu tivesse a maturidade que tenho hoje, não teria tomado as mesmas decisões. Mas aconteceu assim e me serviu como experiência, e hoje estou feliz com minha trajetória até aqui.

ZH — Você pensa em voltar a jogar no Brasil?

Ederson — Certamente penso em um dia voltar a jogar no Brasil. Os brasileiros que estão aqui dizem que igual o futebol brasileiro não tem. O calor e a paixão do torcedor são muito grandes, é emocionante jogar clássicos brasileiros com estádios lotados. Quero um dia viver tudo isso, mas no momento penso em continuar jogando na Europa.

ZH — O que um jogador precisa para ter sucesso na Europa?

Ederson — Muita disciplina e profissionalismo são fundamentais. Além do talento, é preciso ter determinação, força de vontade e personalidade. Esses pontos são válidos em qualquer parte do mundo, não somente na Europa.

ZH — Da França, continua acompanhando o futebol gaúcho?

Ederson — Acompanho o futebol brasileiro e o gaúcho através da internet, programas esportivos na TV, e fico contente quando vejo boas noticias de ex-companheiros de clube e amigos.

ZH — O que acha do atual time do Inter?

Ederson — O time mudou muito do período que estive no Inter. Poucos jogadores continuam no grupo: Clemer, Nilmar e Bolívar. Bolívar esteve aqui na França em Mônaco, grande rival do Nice, e nos enfrentamos algumas vezes. O Inter tem uma ótima estrutura e conta com ótimos profissionais, excelentes jogadores e um grande treinador como o Tite, que admiro muito. Penso que o Inter fará uma boa temporada e seguramente tem o potencial para conquistar títulos.

FONTE: ZeroHora.com

2 comentários:

  1. Que ele tenha sorte no Lyon. Abraço, PP

    ResponderExcluir
  2. Oi Filipe, amigo torcedor
    Venha blog livre de censura das companhias de mídia sobre futebol no Brasil para todos os nossos usuarios fanaticos ver!
    Brasileirão.com
    está lançando o Vc Repórter, com ele Você pode enviar notícias, fotos, videos ou audios relacionadas a sua time ou torcida para o Portal Brasileirão e relacionadas categorias / times, torcidas.
    Você é convidado a criar e publicar notícias na nossa característica única o Vc Repórter que foi introduzida para capacitar torcedores e torcidas como você relatar notícias locais para todo o povo a ver.
    Sua notícia será publicada imediatamente com o seu nome.
    Este é o melhor fórum social sobre futebol para você expressar suas opiniões.

    Bem-vindo!

    ResponderExcluir