domingo, 30 de março de 2014

Remendado, Lyon não suporta pressão e perde o clássico para o St.Étienne

Filipe Frossard Papini
@BrasiLyonnais / @FilipeDidi


Time de Rémi Garde até começou melhor a partida, mas, sem peças no banco, não conseguiu segurar o bom time rival, principalmente no segundo tempo




O tradicional clássico do Rio Róldano, um dos mais famosos da França, Europa e do mundo inteiro, tinha mais um capítulo na tarde deste domingo. Em campo, o Lyon recebia o Saint-Étienne no Stade Gerland com torcida única. O Lyon até queria abrir espaços para a torcida adversária, mas por determinação política, a proibição foi instaurada e somente torcedores da casa assistiriam ao jogo desta 31ª rodada do Campeonato Francês. Além de ser um jogo com contornos diferentes, pelo clima derbyano, os dois times também travam uma intensa disputa por posições na tabela. O Lyon é o atual 5º colocado, com 48 pontos. O Saint-Étinne vem logo acima, na 4ª colocação, com 51 pontos. Mesmo em caso de vitória do OL, a chance de ultrapassar o ASSE seria bem pequena. Os heptacampeões teriam que ganhar por cinco gols de diferença. De toda forma, uma vitória sobre o rival, na reta final da competição, podendo alcança-lo na tabela, é sempre muito bom.

Contudo, o Lyon ia a campo com um time bastante remendado. Com o departamento médico lotado de jogadores do time titular, Rémi Garde não abandonou no 4-4-2, mas entrou em campo com um elenco que, costumeiramente, não joga junto. O maior problema estava no setor defensivo. Dentre os sete desfalques, quatro são defensores e três titulares: Miguel Lopes, Umtiti e Bisevac. Completam a lista: Dabo (mais um defensor), Fofana, Grenier e Benzia. Dessa forma, Gonalons acabou sendo improvisado na zaga e Corentin Tolisso ganhava mais uma chance, uma das primeiras jogando em sua posição de origem – a lateral direita. Abaixo, confira como ficou o time do Lyon para encarar o seu maior rival:




O time visitante também vinha com desfalques importantes, mas não tinha um peso tão grande quanto aos de seu adversário da rodada. Florentin Pogba, Benjamin Corgnet e Romain Hamouma eram as peças que Christopher Galtier não poderia utilizar neste domingo. De toda forma, o time que entrou em campo não era, nem de longe, um time remendado. De todo modo, o treinador do ASSE optou por uma formação não muito usual no Campeonato Francês, o 5-3-2. Utilizando-se de três zagueiros e com o intuito de liberar seus dois laterais mais pro jogo, Galtier depositava muitas esperanças no talento de François Clerc e Benoît Trémoulinas. No meio campo, dois homens de marcação também davam mais sustância a parte defensiva: Lemoin e Guilavogui. Dessa forma, Cohade teria mais liberdade para criar e Brandão e Erding quase não precisariam se recompor na marcação. Veja abaixo a formação do ASSE para enfrentar o Lyon:




Nos minutos iniciais, o Lyon fazia valer sua posse de bola e começou a partida bem melhor do que o Saint-Étienne, que com sua postura bastante ofensiva, dava muito espaço aos donos da casa chegarem com facilidade. O OL tinha opções abertas pelo meio e principalmente pelo lado esquerdo, onde Clerc e Zouma pareciam bastante frouxos na marcação e acabavam dando muito espaços para o Lyon penetrar por ali.

A primeira boa oportunidade da partida surgiu justamente dali. Em uma jogada construída através de um passe longo de Bedimo, Zouma cochilou e deixou Lacazette passar pelas costas. O atacante do Lyon dominou com categoria e avançou. Bayal Sall apareceu para fazer a cobertura e aliviar o perigo. No lance seguinte, Zouma daria mais uma bobeada, mas não o suficiente para o OL criar uma chance de gol.

A segunda boa chance do Lyon foi construída em jogada de bola parada. Sall parou Gourcuff pelo lado direito do ataque do OL e recebeu um cartão amarelo. Na cobrança, o mesmo Gourcuff colocou na cabeça de Lacazette, que direcionou mal a finalização e acabou mandando por cima do gol. Este era o último lance que ocasionava perigo para a meta de Ruffier na primeira metade da etapa inicial.

Após o bom momento do Lyon, era a vez do Saint-Étienne incomodar a virar tomar as rédeas do jogo. Isso tudo começou quando Trémoulinas ganhou mais liberdade dentro de campo e começou a armar as jogadas pelo lado esquerdo. O primeiro lance de perigo, o lateral cruzou, Gonalons furou e Clerc parou em ótima defesa de Anthony Lopes, que saiu aos pés do ex-lataral do Lyon e salvou aquele que seria o primeiro gol da partida.

Outra boa oportunidade do ASSE surgiu quase que no lance seguinte. Erding recebeu bola na área e passou para Brandão. O brasileiro bateu prensando e Anthony Lopes espalmou. No rebote, o mesmo Erding completou e o goleiro português apareceu novamente, agora, para defender firme. Era a segunda oportunidade dos Verts na partida, e com muito mais perigo do que todas aquelas que o OL já havia criado.

O golpe certeiro viria aos 28’. Depois de um cruzamento fantástico de Trémoulinas, a dupla Erding e Brandão voltaria a ser acionada. O brasileiro recebeu o passe e escorou para o turco chegar finalizando. Anthony Lopes, dessa vez, saiu nos pés do atacante, mas não conseguiu apartar o chute do artilheiro do Saint-Étienne. Placar aberto no Gerland, e com muita justiça, ASSE sairia na frente.

Após sofrer o gol, o Lyon deu uma acordada no jogo, apesar do domínio ainda ser do Saint-Étienne. O time conseguiu buscar uma reação dez minutos após sofrer o primeiro tento do jogo. Bafé Gomis fez uma jogada espetacular pelo lado direito e passou por três marcadores. Ao chegar perto da área, fez uma assistência milimetricamente fantástica para Lacazette receber e bater de primeira. Um belíssimo gol no Stade Gerland para decretar o empate no clássico.

Com o empate no placar, o jogo se equilibrou. O Saint-Étienne continuava acionando Trémoulinas pelo lado esquerdo do campo, enquanto Gourcuff erguia a batuta pelo lado do Lyon. Contudo, até o fim da primeira etapa os dois times não foram mais tão perigosos igual outrora e o panorama da partida se estagnou naqueles últimos dez minutos que faltavam para o apito do intervalo.

Para o segundo tempo, o Lyon entrou logo com uma alteração. Gourcuff sentiu uma pancada, ainda na primeira etapa, e deu lugar a Jimmy Briand. A ausência do meia de criação provocou uma estagnação no setor de criação dos Gones, que quase não ocasionava mais lances de perigo na última etapa, muito em função de perder esse homem que fazia a ligação do meio ao ataque. O novo 4-3-3 do Lyon quebrou essa articulação.

Por outro lado, o Saint-Étienne também encontrava dificuldades para se encontrar dentro de campo. Malbranque agora ajudava Tolisso na marcação de Trémoulinas, que já não tinha o mesmo espaço de antes para realizar os seus (ótimos) cruzamentos. A falta de mobilidade dos homens de frente, assim como o sumiço de Cohade, não permitia o ASSE a pressionar o OL da forma como fez no primeiro tempo.

Com as duas equipes estagnadas, o jogo perdia em movimentação e já não mais parecia um clássico. A partida travava-se no meio de campo e muitos erros de passes erma cometidos pelas duas equipes. Galtier percebeu esse panorama e fez sua primeira alteração, colocando Gradel no lugar de Erding, na esperança de dar mais mobilidade, velocidade e movimentação ao ataque.

O Saint-Étienne conseguiu o seu segundo gol... E com Gradel! Mas o gol não apareceu por causa da mobilidade pretendida por Galtier. Na verdade, um apagão da defesa do OL foi o responsável pelo tento dos Verts. Cohade avançou pela direita e fez um cruzamento rasteiro. Anthony Lopes cortou mal o lance e espalmou pro meio da área. Por lá, Max Gradel, sem qualquer marcação, somente empurrou para as redes. 2 a 1!

Após sofrer o segundo gol, imediatamente Rémi Garde mexeu no time. Tirou Malbranque, que estava mais marcando do que distribuindo, e colocou outro jogador veterano: Gaël Danic. A alteração não surtiu muito efeito. O Lyon pressionava, sim, mas não pela alteração. Com o resultado adverso, o time avançou suas linhas de marcação e tentava buscar, ao menos, o empate antes do apito final. No finzinho do jogo, Diomandé entrou no lugar de Cohade – Galtier já segurando o jogo. E Garde, reoxigenando o ataque, colocou N’Jie no lugar de Lacazette.

Por fim, o Lyon não conseguiu o esperado segundo gol e o Saint-Étienne acabou levando a melhor no derby. Agora o OL concentra todas as suas forças nas quartas de final da Liga Europa. O adversário será a Juventus, da Itália. O primeiro jogo é no Gerland, quinta-feira 03/Abril, às 16h. Até lá!

FOTOS: olweb.fr


MELHORS MOMENTOS:
video


Quer notícias diárias sobre o Lyon? Clique no banner abaixo e siga-nos no Twitter

[LIGUE1 – 13/14] 31ª Rodada - Lyon x Saint-Étienne

Filipe Frossard Papini
@BrasiLyonnais / @FilipeDidi


FOTO: olweb.fr

Neste domingo (29), Lyon e Saint-Étienne fecham a 31ª rodada da Ligue 1 com o Derby du Rhône, às 16h, no horário de Brasília. O clássico de número 108 se tornará mais especial por ser confronto direto entre times que lutam pela vaga na próxima edição da Uefa Champions League. Os Gones ocupam a quinta colocação e seguem de perto os Verts, donos do quarto posto.

O time da casa não teve um bom início de campeonato e terminou o primeiro turno apenas na 11ª colocação. Após mudar o esquema tático e conseguir tirar o melhor de jogadores como Alexandre Lacazette, por exemplo, o treinador Rémi Garde viu a sua equipe evoluir e emplacar uma sequência de sete jogos sem derrotas entre os dias 5 de dezembro de 2013 e 26 de janeiro de 2014. Se o Lyon conquistar os três pontos sobre o seu adversário, ficará empatado com 51 pontos, mas ainda uma posição atrás por causa dos critérios de desempate.

Já o Saint-Étienne segue firme na parte de cima da tabela neste campeonato, mas sempre com uma diferença baixa sobre os seus concorrentes. A equipe do treinador Christophe Galtier, que perdeu fôlego na luta por uma vaga na Champions League na temporada passada, se recuperou de duas derrotas seguidas, batendo o Sochaux na última rodada por 3 a 1.

Vencendo o Lyon, os Stéphanois podem abrir seis pontos de vantagem sobre os rivais e, ainda, encostar no Lille, caso os Dogues sofram uma improvável derrota para o Guingamp em casa, em partida que também será disputada hoje.

Sem lateral-direito, Lyon quebra a cabeça

Rémi Garde tem sete desfalques para o confronto contra o arquirrival: Mouhamadou Dabo, Milan Bisevac (problemas no músculo posterior da coxa), Miguel Lopes (operado de fratura na tíbia), Clément Grenier (lesão no púbis), Samuel Umtiti (lesão na coxa) e Gueïda Fofana (lesao no músculo adutor) estão afastados e o atacante Yassine Benzia está suspenso.

O treinador ainda não decidiu se improvisará alguém ou escalará o jovem Mehdi Zeffane, do time B, na lateral direita, já que não conta com nenhum jogador da posição no plantel principal.

Sainté não terá seu artilheiro em campo

Por outro lado, os Verts seguem mais tranquilos em relação ao departamento médico, com três jogadores indisponíveis. O zagueiro Florentin Pogba e o meia Benjamin Corgnet estão afastados, mas quem fará falta mesmo é Romain Hamouma. Atuando na ponta direita, o jogador passa por uma das melhores fases de sua carreira, sendo o artilheiro da equipe com oito gols e cedendo quatro assistências.

Já o volante Josuha Guilavogui, que esteve ausente na vitória sobre o Sochaux, foi liberado e está entre os relacionados por Christophe Galtier para o clássico.

Lyon e Saint-Étienne se encontrarão no Gerland, casa do OL. No duelo do primeiro turno, os Lyonnais venceram por 2 a 1 em pleno Geoffroy-Guichard, com direito a gol da vitória nos acréscimos no segundo tempo.

ViaVavel Brasil

Abaixo, confira os jogadores relacionados pelos dois treinadores. A partida será às 16h deste domingo, no horário de Brasília, e terá transmissão, ao vivo, da ESPN +.


LYON:

GOLEIROS: Anthony LOPES e Rémy VERCOUTRE;
LATERAIS:  Henri BEDIMO, Mehdi ZEFFANE e Corentin TOLISSO;
ZAGUEIROS: Bakary KONÉ e Mouhamadou-Naby SARR;
VOLANTES: Jordan FERRI, Arnold MVUEMBA e Maxime GONALONS;
MEIAS: Yoann GOURCUFF, Farès BAHLOULI, Rachid GHEZZAL, Gaël DANIC e Steed MALBRANQUE;
ATACANTES: Bafétimi GOMIS, Jimmy BRIAND, Clinton N'JIE e Alexandre LACAZETTE;
TÉCNICO: Rémi GARDE;
DESFALQUES: Mouhamadou DABO, Miguel LOPES, Samuel UMTITI, Milan BISEVAC, Gueïda FOFANA, Clément GRENIER e Yassine BENZIA


SAINT-ÉTIENNE:

GOLEIROS: Stéhane RUFFIER e Jessy MOULIN;
LATERAIS: François CLERC, Benoît TRÉMOULINAS e Jonathan BRISON;
ZAGUEIROS: Loïc PERRIN, Moustapha BAYAL SALL, Kurt ZOUMA;
VOLANTES: Fabien LEMOINE, Jérémy CLÉMENT, Joshua GUILAVOGUI e Ismaël DIOMANDÉ;
MEIAS: Renaud COHADE, Franck TABANOU e Yohan MOLLO;
ATACANTES: Mevlut ERDING, BRANDÃO e Max-Alain GRADEL;
TÉCNICO: Christpher GALTIER;
DESFALQUESFlorentin POGBA, Benjamin CORGNET e Romain HAMOUMA


Quer notícias diárias sobre o Lyon? Clique no banner abaixo e siga-nos no Twitter

domingo, 23 de março de 2014

Em jogo apertado, Lyon bate o Guingamp pelo placar mínimo

Filipe Frossard Papini
@BrasiLyonnais / @FilipeDidi


Marcação intensa do time da casa não permitiu espaços ao Lyon, que marcou em uma das poucas oportunidades que teve




O Lyon já viveu dias melhores no ano de 2014. Desde a vitória por 3 a 1, diante do Ajaccio, no dia 16 de fevereiro, o time começou a tropeçar. Passou pelo Chernomorets Odessa na Copa da Liga com uma dificuldade tremenda. Empatou com o Lille, Montpellier, e venceu o Bordeaux no apagar das luzes, com dois gols na prorrogação. O alento veio com a partida, em casa, diante do Viktoria Plzen, pela UEL, onde aplicou uma goleada de 4 a 1. Contudo, fora de casa, perdeu por 2 a 1 e poderia ter se complicado, caso o pênalti desperdiçado pelos tchecos tivesse entrado. Antes disso, ainda sofreu uma derrota para o Monaco na semana passada. O adversário de hoje, era o Guingamp, humilde time recém promovido da Ligue2 e que não vem fazendo tão feio na primeira divisão francesa. Os donos do Stade do Roudourou venceram 3 das últimas 5 partidas realizadas e pretendiam aumentar a marca hoje.

Dentro de campo, o “jovem” treinador Jocelyn Gourvennec (de apenas 42 anos), escalou o Guingamp num 4-3-3. Mas engana-se quem pensa que a formação era ofensiva. Muito pelo contrário.  A linha do meio de campo era formada por três volantes de marcação. A sua força ofensiva, na linha adiante, também não era das mais potentes. Em uma tática em que geralmente usam-se três atacantes, Gouvernnec optou por colocar dois meias e somente um atacante de origem. Sem poder contar com Lévêque, Lemaître e Yatabaré, o time da casa ainda entrava em campo sem sua força máxima. Um passaporte para o Lyon poder afastar sua má fase. Abaixo, confira a formação dos 11 iniciais do Guingamp para o jogo da 30ª rodada da Ligue1:




Também com desfalques de muita importância, o Lyon vinha a campo com um time muito remendado. Com a ausência dos titulares Bedimo, Umtiti, Fofana e Grenier – e com Gourcuff iniciando a partida no banco de reservas – Rémi Garde também colocou três volantes dentro de campo. Mas tinha, ao menos, Malbranque para dar um respiro de técnica dentro de campo. Na zaga, substituindo Umtiti, Koné começou entre os titulares e Dabo ganhava chance na lateral esquerda, no lugar de Bedimo. Na frente, nenhum segredo: Gomis e Lacazette formavam a dupla de ataque. Outra novidade do time estava no banco de reservas. Depois de muito tempo sem ser lembrado, Rachid Ghezzal voltou a ser relacionado por Garde. Veja baixo, o 4-4-2 do Lyon para enfrentar o Guingamp:




Os primeiros minutos da partida foram marcados pela intensidade e equilíbrio. Algo diferente para uma partida povoada de muitos volantes. Contudo, o tempo mostrava que a falta de jogadores técnicos representaria um enorme número de passes errados, que já era nítido desde o começo do jogo... Justamente por isso, a intensidade do jogo: muitos erros de cada lado e muitas chances também.


A primeira grande oportunidade foi realizada pelos donos da casa. Gonalons perdeu a bola no meio de campo e permitiu um contra-ataque dos adversários. Com a bola levantanda dentro da área, dois jogadores do Guingamp tentaram chegar, mas não conseguiram alcançar a o cruzamento. Contudo, o lance já havia sido paralisado pela arbitragem e os dois homens, Diallo e Sankharé, estavam em posição de impedimento.

No lance seguinte, o Lyon tentou dar uma resposta ao seu torcedor. Em jogada individual construída por Lacazette, ele conseguiu se desvencilhar do marcador e, do meio da rua, arriscou com um potente chute em direção ao gol. Samassa, ainda no susto, conseguiu espalmar e mandar para escanteio. Até a metade do primeiro tempo, essa seria a única chance real de gol construída pelo OL.


Sem muita organização, e apostando somente em seus homens de velocidade, o Guingamp era melhor na partida. Conseguia controlar o jogo com um meio de campo bastante povoado. Mas quando precisava acionar o seus homens de frente, esbarrava na falta de qualidade e de atletas mesmo. Somente Alioui ficava praticamente isolado. Por isso, mesmo pior na partida, o Lyon tinha mais posse de bola, e também não conseguia converter isso em oportunidades.

Aos 25’ de jogo, o Guingamp construía outra jogada de perigo. Koné vacilou na hora de fazer o corte e colocou a mão na bola. Mais dois passos para frente seria pênalti. Com a falta marcada, Thibault Giresse foi para a cobrança e cobrou do lado oposto da barreira. Esperto, Anthony Lopes não se deslocou para o lado e conseguiu, até com certa tranquilidade, efetuar a defesa sem muito perigo.


Este seria o último lance que tirou o fôlego do torcedor no primeiro tempo da partida. De ambos os lados, a partida se manteve estática na primeira etapa. O Guingamp fechava as saídas de ataque do Lyon pelos lados e o meio-de-campo enxuto não permitia muito espaço para o time trabalhar a bola por ali. Não foi à toa que a única oportunidade real de gol na primeira etapa surgiu de uma jogada individual.

No segundo tempo, logo nos primeiros momentos, o Lyon apagou tudo aquilo que havia construído na etapa inicial e conseguiu abrir o placar. Lacazette avançou pela esquerda e cruzou pra área. Gomis, mesmo perdendo o tempo da bola um pouco, bateu mascado. A bola entrou devagar, mas afundou as redes de Samassa. Placar aberto logo no início da etapa final e que mudaria o panorama do jogo.


Atrás no placar, o Guingamp se sentiu obrigado a avançar o seu sistema de jogo. Logo após sofrer o gol, o time quase buscou o empate em um cruzamento que Koné, por pouco, não marcou um gol contra, se não fosse a intervenção primordial de Anthony Lopes. Empurrado pela frenética torcida no Roudourou, o time da casa deu uma acordada na partida e saiu de sua zona (recuada) de conforto.

E no auge da pressão do EAG, o Lyon acabou perdendo dois jogadores por contusão. Bisevac sentiu algum desconforto no momento em que Dabo se contorcia de dores na coxa esquerda. Os dois acabaram sendo substituídos. Naby Sarr acabou entrando na zaga e Corentin Tolisso foi jogar de forma improvisada no lado esquerdo. Enquanto isso, o Guingamp mexia e fazia suas três alterações em um curto espaço de tempo. Saíram Giresse, Alioui e Mathis para as entradas de Douniama, Dembele e Langil.


As alterações reoxigenaram o time do Guingamp, que imprimia uma pressão descomunal na remontada defesa do Lyon, que dava muitas brechas. Dembele, por duas vezes, teve chances muito claras de gol para liquidar com a partida, mas não teve a capacidade de empurrar para as redes. Percebendo a chance de sofrer o gol, Rémi Garde colocou Yoann Gourcuff no lugar de Steed Malbranque, já entregue ao cansaço. Era a expectativa que o torcedor do OL tinha para surgir algo de novo no setor ofensivo.

Por fim, a pressão se manteve constante e intensa. Mas a má qualidade dos homens de frente do Guingamp não permitiram que o empate aparecesse na partida. O Lyon, remendado e com Miguel Lopes sentindo uma torção no tornozelo, praticamente jogava com um a menos e ainda tinha que puxar forças do nada para manter o resultado. Com cinco minutos de acréscimos, o time chegou ao ápice do cansaço, mas conseguiu sair do Roudourou com a vitória por debaixo dos braços.

Próximo adversário: clássico contra o Saint-Étienne, no próximo domingo, dia 30. O Lyon terá tempo o suficiente para descansar e se preparar para o adversário direto na tabela. O jogo será válido pela 31ª rodada da Ligue1.

FOTOS: olweb.fr


OS GOLS DA PARTIDA:
video


Quer notícias diárias sobre o Lyon? Clique no banner abaixo e siga-nos no Twitter

sábado, 22 de março de 2014

[LIGUE1 – 13/14] 30ª Rodada - Guingamp x Lyon

Filipe Frossard Papini
@BrasiLyonnais / @FilipeDidi


FOTO: olweb.fr

Tentando a todo custo subir posições e não ver os adversários colarem em sua traseira, o Lyon volta aos campos neste domingo. O adversário será o Guingamp, time recém promovido da Ligue2 e que vem surpreendendo nesta temporada por não flertar ainda com a zona de rebaixamento. O jogo será no Stade do Roudourou e o time da casa poderá subir quatro posições, caso vença e ocorra uma combinação de resultados.

Abaixo, confira os jogadores relacionados pelos dois treinadores. A partida será às 13h deste domingo, no horário de Brasília, e terá transmissão, ao vivo, da ESPN Brasil.


LYON:

GOLEIROS: Anthony LOPES e Rémy VERCOUTRE;
LATERAIS: Mouhamadou DABO, Miguel LOPES e Corentin TOLISSO;
ZAGUEIROS: Bakary KONÉ, Milan BISEVAC e Mouhamadou-Naby SARR;
VOLANTES: Jordan FERRI, Arnold MVUEMBA e Maxime GONALONS;
MEIAS: Yoann GOURCUFF, Farès BAHLOULI, Rachid GHEZZAL e Steed MALBRANQUE;
ATACANTES: Bafétimi GOMIS, Jimmy BRIAND, Clinton N'JIE e Alexandre LACAZETTE;
TÉCNICO: Rémi GARDE;
DESFALQUES: Henri BEDIMO, Samuel UMTITI, Gueïda FOFANA, Gaël DANIC e Clément GRENIER


GUINGAMP:

GOLEIROS: Mamadou SAMASSA e Guy N'DY ASSEMBÉ;
LATERAIS: Jonathan MARTINS PEREIRA, Baissama SANKOH, Paul BABILONI;
ZAGUEIROS: Jérémy SORBON e Christophe KERBRAT;
VOLANTES: Laurent DOS SANTOS, Mustapha DIALLO, Younousse SANKHARÉ e Lionel MATHIS;
MEIAS: Thibault GIRESSE, Steeven LANGIL e Caudio BEAUVUE;
ATACANTES: Julien BÈGUE, Mana DEMBÉLÉ, Ladislas DOUNIAMA e Rachid ALIOUI;
TÉCNICO: Jocelyn GOURVENNEC;
DESFALQUESDorian LÉVÊQUE, Reynald LEMAÎTRE e Mustapha YATABARÉ


Quer notícias diárias sobre o Lyon? Clique no banner abaixo e siga-nos no Twitter

quinta-feira, 20 de março de 2014

Lyon perde para o Viktoria Plzen, mas assegura vaga pelo placar agregado

Filipe Frossard Papini
@BrasiLyonnais / @FilipeDidi
Via: Vavel Brasil


A equipe francesa abriu o placar, mas sofreu a virada no segundo tempo; Viktoria Plzen teve um pênalti desperdiçado e não contava com o goleiro do Lyon bastante inspirado




Apesar da vitória de 2 a 1 no jogo de volta, o Viktoria Plzen foi eliminado pelo Lyon pelo placar agregado de 5 x 3. A equipe francesa venceu a primeira partida por 4 x 1 e jogou com o resultado embaixo do braço para garantir a passagem para as quartas de final da Uefa Europa League. Os gols da partida foram marcados por Gomis, na primeira etapa, e Kolar e Tecl na segunda.

A equipe tcheca não pôde contar com o zagueiro Lukas Hejda, que esteve ausente por lesão, e com o lateral Radim Reznik, por estar suspenso. O Lyon não teve à sua disposição o zagueiro Samuel Umtiti e o volante Gueïda Fofana, que se lesionaram na derrota sofrida para o Monaco. O meia Clément Grenier também continua fora, se recuperando de uma lesão no músculo adutor.

O Lyon conhecerá seu próximo adversário na Europa League no sorteio de amanhã, que será realizado às 8h30 da manhã, no horário de Brasília. As partidas das quartas de final serão disputadas apenas no mês que vem, mais exatamente nos dias 3 (ida) e 10 (volta) de abril. As equipes voltam à campo no próximo final de semana, pelos campeonatos nacionais. O Viktoria Plzen enfrenta o Sigma Olomouc no domingo (23) e o Lyon irá até a Guingamp, visitar o time da cidade no estádio Roudourou pela Ligue 1 no mesmo dia.

Gomis brilha e marca no final da primeira etapa

Logo no começo da primeira etapa, o Lyon exerceu bastante pressão no Viktoria Plzen, que mesmo assim conseguiu trocar bons passes até chegar próximo a área da equipe francesa. Aos cinco minutos de jogo, os Gones já tinham a iniciativa do jogo e o Viktoria ficou retraído em seu próprio campo. O time tcheco conseguia colocar velocidade na saída de bola, mas faltava mais capricho no último terço de campo, na hora de construir as jogadas ofensivas. Aos poucos, o Viktoria equilibrou mais a posse de bola, mas o erro em alguns passes fazia com que a segunda bola sempre fosse do Lyon, tornando o jogo menos fluído por parte das equipes.




Enquanto a melhor chance do Viktoria Plzen veio num chute do zagueiro Marian Cisovsky, que recebeu a bola livre dentro da área sem marcação e obrigou o goleiro Anthony Lopes a fazer uma grande defesa, o Lyon conseguiu acertar a trave durante o primeiro tempo. Após o meia Yoann Gourcuff cobrar uma falta, a bola bateu no atacante Bafétimbi Gomis, que apesar de não ter prestado atenção no lance, fez com que ela acertasse o poste.

O primeiro tempo ia se encerrando com uma pressão maior do Viktoria Plzen, que teve até alguns escanteios ao seu favor, mas não conseguiu produzir muito. Em um lançamento rápido, após cobrança de falta na defesa da equipe francesa, apareceu a individualidade de Gomis. O atacante, usando muito bem a sua força, conseguiu dominar a bola na direita avançando até a grande área. Após ficar de frente para a marcação, deu um corte no zagueiro, que foi o suficiente para desequilibrar o adversário e abrir espaço para o remate. Com um chute cruzado, o atacante colocou a bola no gol do goleiro Petr Bolek e marcou o primeiro gol da partida.

Tchecos reagem com dois gols, mas param na trave e no goleiro adversário

O segundo tempo seguiu no mesmo ritmo do primeiro, com o Viktoria Plzen tendo mais a posse de bola e o Lyon aproveitando os contra-ataques. O time francês chegou a levar mais perigo para os tchecos até os quinze minutos, quando a equipe da casa resolveu compensar a passividade ofensiva do primeiro tempo e marcou logo dois gols em um intervalo de dois minutos.

O gol de empate veio numa boa jogada pelo lado direito. O meia Patrik Hrosovsky cruzou para o centro da área, onde o meia Daniel Kolar apareceu livre, de frente para o gol, para colocar a bola no canto de Anthony Lopes. Dois minutos depois, o time tcheco conseguiu a virada. Após uma confusão dentro da área, o meia Petrzela cruzou na medida para o atacante Stanislav Tecl, que estava bem posicionado na pequena área e só empurrou a bola para dentro das redes, marcando o 2 a 1 para o time tcheco.

Nesta altura, o Viktoria Plzen precisava de mais dois gols para levar o jogo para prorrogação e continuou partindo para cima do Lyon. Aos vinte e quatro minutos o lateral Mamahadou Dabo cometeu falta no meia Jan Duris dentro da área, sendo marcado pênalti. O atacante Tecl, que já havia marcado um gol, foi para a cobrança e desperdiçou a penalidade chutando a bola na trave.

Aproveitando a larga vantagem, o Lyon continuou atrás aguardando a oportunidade ideal e o Viktoria Plzen continuou atacando. A equipe da casa mexeu, colocando os atacantes Marek Bakos e Tomas Wagner no lugar dos meias Daniel Kolar e Milan Petrzela respectivamente e o defensor Zdenek Konkal pelo meia Jan Duris. Apesar da pressão, o goleiro Anthony Lopes, que já tinha realizado um bom primeiro tempo, se tornou o grande nome da partida e impediu vários gols, ajudando a classificar a sua equipe para as quartas de final da Europa League.

FOTOS: olweb.fr


OS GOLS DA PARTIDA:



Quer notícias diárias sobre o Lyon? Clique no banner abaixo e siga-nos no Twitter

quarta-feira, 19 de março de 2014

[Liga Europa - 13/14] - Oitavas de final: Viktoria Plzen x Lyon

Filipe Frossard Papini


FOTO: olweb.fr

Após conquistar uma boa vantagem no jogo de inda, no Stade Gerland, quando o Lyon venceu o Viktoria Plzen por 4 a 1, os franceses agora viajam até a República Tcheca para fazer o jogo de volta contra o time que eliminou um dos favoritos da Liga Europa: o Shakhtar Donetsk. O treinador do Lyon, Rémi Garde, pediu muita cautela para o jogo de amanhã: "Confio em meus jogadores. Vamos entrar em campo com muita calma. Mas ser eliminado amanhã seria uma tragédia".

A partida será transmitida, ao vivo, às 15 de Brasília, pelo site Terra e o Watch ESPN, via internet. Abaixo, confira os jogadores relacionados pelo Lyon. O time tcheco não enviou sua relação.


LYON:

GOLEIROS: Rémy VERCOUTRE e Anthony LOPES;
LATERAIS: Corentin TOLISSO, Henri BEDIMO, Mouhamadou DABO e Miguel LOPES;
ZAGUEIROS: Milan BIŠEVAC, Mouhamadou-Naby SARR e Bakary KONÉ;
VOLANTES: Jordan FERRI, Maxime GONALONS e Arnold MVUEMBA;
MEIAS: Steed MALBRANQUE, Yoann GOURCUFF e Farès BAHLOULI;
ATACANTES: Alexandre LACAZETTE, Bafétimbi GOMIS, Jimmy BRIAND e Cliton N'JIE;
TÉCNICO: Rémi GARDE;
DESFALQUES: Samuel UMTITI, Gueïda FOFANA e Clément GRENIER


VIKTORIA PLZEN:

GOLEIROS:
LATERAIS:
ZAGUEIROS:
VOLANTES:
MEIAS:
ATACANTES:
TÉCNICO:
DESFALQUES:


Quer notícias diárias sobre o Lyon? Clique no banner abaixo e siga-nos no Twitter

domingo, 16 de março de 2014

Arbitragem se complica e Monaco vence o Lyon no Gerland

Filipe Frossard Papini
@BrasiLyonnais / @FilipeDidi


Em um grande jogo, Fredy Fautrel autorizou dois gols em que Berbatov estava em posição irregular e prejudicou o Lyon na partida e na competição




Após uma goleada importante pela Liga Europa no meio de semana, batendo o Viktoria Plzen por 4 a 1 no Stade Gerland, o Lyon voltava suas atenções ao Campeonato Francês em partida importantíssima. O adversário da rodada era o Monaco, time que, assim como o OL, também briga pelas cabeças da posição. Uma vitória neste jogo, além de valer como importante pontuação na briga por subir posições, também daria um ânimo diferenciado para se manter na disputa. Afinal de contas, bater o segundo melhor bilionário da França não é papel para qualquer um. E vindo de uma vitória bem conquistada, o OL tinha todas as armas para fazer o dever de casa na tarde deste domingo.

Em campo, Rémi Garde, sem poder contar com três de seus meias armadores, colocou um time teoricamente bem defensivo, um 4-4-2 com quatro volantes em campo. Obviamente, Mvuemba e Fofana teriam mais liberdade, enquanto Ferri e Gonalons ficariam mais presos. De toda forma, no banco de reservas, o Lyon tinha dois nomes que poderiam mudar o panorama da partida a qualquer momento do jogo: Bafé Gomis – que caso entrasse em campo, completaria 300 jogos pela Ligue1, e marcando dois gols, chegaria a 100 tentos pelo campeonato. Além dele, Gourcuff, voltando de lesão, também estava a disposição do treinador. Mas por opção do treinador, ele preferiu começar com o meia no banco de reservas. Sem Malbranque e Grenier, confira abaixo a formação inicial do Lyon contra o Monaco:




Pelo lado do Monaco, os desfalques também prejudicavam o time a atuar com 100% de suas forças. Principalmente por não poder contar com nomes como Elderson, Toulalan, Ferreira-Carrasco e... Falcao García. Contudo, a equipe que entrava em campo, ainda assim, era muito qualificada.  Principalmente o lateral Kurzawa – que faz um belíssimo campeonato; Berbatov, que tem “faro de gol” e chegou para suprira a ausência do Falcao; James Rodriguez, que assumiu o protagonismo com a falta do seu compatriota. Claudio Ranieri armou o time no 4-3-3 com Kondogbia e Obbadi na marcação no meio e Moutinho um pouco mais livre. Na frente, Germain, James e Berbatov formavam o trio ofensivo do clube monegasco. Na imagem abaixo, você pode ver a formação inicial do Monaco:





Com a bola rolando, via-se claramente uma superioridade do Monaco dentro de campo. Detinham mais posse de bola e conseguiam colocar o time do Lyon “na roda”. A superioridade na posse de bola dava a entender que a missão não seria nada fácil para os donos da casa. A constatação disso chegou antes mesmo dos 5’ de jogo. O Monaco abriria o placar com falta cobrada pelo brasileiro Fabinho. Ele colocou na área, Kondogbia escorou, Berbatov fez o pivô e Valère Germain apareceu para finalizar, dentro da área. Aberto o placar no Gerland.

Como forma de responder ao susto inicial, o Lyon apareceu logo em seguida em jogada construída por Jimmy Briand. O atacante apareceu no mano a mano com Isimat-Mirin e conseguiu vencer o defensor do Monaco. Na hora de finalizar, o time visitante se recompôs, Ricardo Carvalho chegou até cometer pênalti, mas Lacazette deu sequência a jogada, tentando encobrir Subasic com uma cavadinha. E mandou pra fora. Era a primeira grande oportunidade do OL na partida.


Sem mostrar fraqueza, logo em seguida, o Monaco quase abriu o placar. Com um lance criado por Kurzawa, que fez um lançamento do seu campo de defesa, ele achou Germain entrando em velocidade, em direção ao gol do Lyon. Pressionado por Umtiti, o atacante ainda conseguiu finalizar, mas Anthony Lopes fez uma grande defesa. Na sequência, Umtiti sentiu uma lesão na parte posterior da coxa e precisou deixar o campo, dando lugar a Bakary Koné, que passava a formar dupla com Bisevac.

O Monaco apareceria mais uma vez aos 21’, quando Berbatov apareceu pelo lado esquerdo do campo, segurou um pouco, e esperou a passagem de Germain. O atacante do Monaco recebeu e finalizou de primeira, mandando pra fora. O Lyon respondeu com uma jogada iniciada pro Ferri. Ele achou Lacazette pela direita. O camisa 10 fez um cruzamento e Briand quase conseguiu completar o passe. Já estava dentro da pequena área, mas não conseguiu o desfecho do lance.


O Monaco, superior desde o início na partida, chegaria ao segundo gol aos 27’. James Rodriguez  recebeu na intermediária e achou Germain caindo pela direita. Ele fez o passe e rapidamente correu em direção a área. Germain descolou o passe para Berbatov, que estava sozinho, dentro da pequena área (e em posição irregular). O búlgaro não conseguiu dominar e a bola acabou sobrando para James Rodriguez, que já chegou finalizando e marcando o segundo tento no Gerland.

Com um ritmo de jogo muito bom e intenso, o Lyon ainda não se mostrava abatido. E, de fato, correspondia até bem ofensivamente. Aos 32’, o time da casa faria o seu primeiro gol e colocaria mais lenha na fogueira. A jogada surgiu do lado direito do campo, onde Kurzawa subia muito e acabava dando espaços para a subida de Miguel Lopes. O português apareceu por ali, e achou Briand na área. O atacante do Lyon bateu de chapa, de primeira, e colocou no canto direito de Subasic. 2 a 1!


Aos 41, o Lyon teve a chance de empatar a partida. Fofana recebeu bola no meio e arrancou em disparada. Venceu Moutinho na velocidade, mas perdeu na disputa de bola com Fabinho. A bola acabou sobrando para Subasic, que pegou com as mãos. O árbitro Fredy Fautrel interpretou como recuo e ordenou um lance de dois toques dentro da área do Monaco. Mvuemba rolou para Lacazette chutar forte em cima da barreira. Foi a última chance do OL no primeiro tempo. O Monaco ainda tentou mais uma vez, em lance de bola parada com Moutinho, mas ele desperdiçou, mandando longe do gol.

Na segunda etapa, logo nos primeiros minutos – assim como ocorreu com o Lyon no primeiro tempo – o Monaco perdeu um importante jogador. Leyvin Kurzawa sentiu uma lesão na coxa e precisou deixar o campo. Raggi entrou no seu lugar. E a saída do lateral não prejudicou o ânimo do time visitante. Logo cedo, eles ampliaram o marcador em um apagão da defesa lionesa. James Rodriguez achou Berbatov em posição de (muito) impedimento. Mas a arbitragem deu sequência no lance e o búlgaro avançou até chegar o momento certo de finalizar. 3 a 1! Após o gol, Fofana deixou o campo pelo Lyon e deu lugar a Gourcuff.


Aos 23’ da etapa final, o Lyon teve uma ótima oportunidade em bola parada. Lance quase na meia lua da área. Gourcuff foi pra bola e, com uma barreira muito próxima do cobrador, mandou a bola em cima de Berbatov. Era uma ótima chance! Após o lance, todas as outras substituições da partida foram feitas. Rivière entrou no lugar de Berbatov e Obbadi deu espaço a Pi, no Monaco. Pelo Lyon, Gomis substituiu Jordan Ferri. Gomis que fazia a sua 300ª participações em jogos da Ligue1.

As alterações surtiriam efeito pelo lado do Lyon. Gomis e Gourcuff davam outro tipo de mobilidade ao ataque do time. E, em busca do resultado, era mesmo o OL quem tinha que buscar o jogo e tentar, ao menos o empate. Aos 33’ do segundo tempo, esse espaço diminuía. Em jogada despretensiosa no alto, Bakary Koné subiu junto com Subasic e o goleiro não conseguiu levar a melhor. O rebote acabou sobrando para Briand, que só empurrou para o gol. 3 a 2!


O Lyon foi pra cima nos últimos dez minutos e conseguiu uma pressão formidável pra cima do Monaco. Lances de escanteio, cobranças de falta perigosas, muitos cartões distribuídos aos homens de marcação do time visitante. Mas nada disso foi o suficiente para o Lyon conseguiu empatar a partida no Gerland. De toda forma, o time jogou muito bem. Assim como o Monaco. Uma das melhores partidas da Ligue1 nessa temporada. Um jogaço, em todos os sentidos.

Próximo adversário: Agora o Lyon viaja até a República Tcheca para enfrentar o Viktoria Plzen no jogo de volta da Liga Europa. O jogo será na quinta-feira, dia 20, às 15h de Brasília. Até lá!



FOTOS: olweb.fr / L'Equipe


OS GOLS DA PARTIDA:





Quer notícias diárias sobre o Lyon? Clique no banner abaixo e siga-nos no Twitter

sábado, 15 de março de 2014

[LIGUE1 – 13/14] 29ª Rodada - Lyon x Monaco

Filipe Frossard Papini
@BrasiLyonnais / @FilipeDidi


FOTO: olweb.fr

Dois gigantes do Futebol Francês se encontram amanhã no gramado do Stade de Gerland. Lyon e Monaco, ambos que brigam pela parte de cima da tabela da Ligue1 fazem o confronto que pode valer vaga para o time da casa no G4 francês. O Monaco, perdendo ou vencendo, se manterá na segunda colocação. Mas o objetivo dos novos ricos da França é não deixar o PSG se distanciar muito. E por isso, entrarão em campo com gana para bater o Lyon a qualquer custo, mesmo sem contar com a presença do melhor jogador do time: Falcao García.

Abaixo, confira os jogadores relacionados pelos dois times. A partida será às 13h deste domingo, no horário de Brasília, e não será transmitida por nenhuma emissora.


LYON:

GOLEIROS: Anthony LOPES e Rémy VERCOUTRE;
LATERAIS: Henri BEDIMO, Mouhamadou DABO, Miguel LOPES e Corentin TOLISSO;
ZAGUEIROS: Bakary KONÉ, Milan BISEVAC e Samuel UMTITI;
VOLANTES: Jordan FERRI, Gueïda FOFANA, Arnold MVUEMBA e Maxime GONALONS;
MEIAS: Yoann GOURCUFF;
ATACANTES: Bafétimi GOMIS, Jimmy BRIAND, Clinton N'JIE e Alexandre LACAZETTE;
TÉCNICO: Rémi GARDE;
DESFALQUES: Steed MALBRANQUE e Clément GRENIER


MONACO:

GOLEIROS: Danijel SUBASIC, Sergio ROMERO e Flavio ROMA;
LATERAIS: FABINHO, Leyvin KURZAWA e Andrea RAGGI;
ZAGUEIROS: Aymen ABDENNOUR, Eric ABIDAL, Ricardo CARVALHO e Nicolas ISIMAT-MIRIN;
VOLANTES: Geoffrey KONDOGBIA, Jessy PI e Mounir OBBADI;
MEIAS: João MOUTINHO, Lucas OCAMPOS, Nabil DIRAR, Valère GERMAIN e James RODRIGUEZ;
ATACANTES: Emmanuel RIVIÈRE, Anthony MARTIAL e Dimitar BERBATOV;
TÉCNICO: T;
DESFALQUES: ELDERSON Echiéjilé, Jérémy TOULALAN, Yannick FERREIRA-CARRASCO e Radamel FALCAO García


Quer notícias diárias sobre o Lyon? Clique no banner abaixo e siga-nos no Twitter

quinta-feira, 13 de março de 2014

Lyon espanta zebra e vence o Viktoria Plzen pelas oitavas da Europa League

Filipe Frossard Papini
@BrasiLyonnais / @FilipeDidi


Vitória de virada por 4 a 1 praticamente encaminha a vaga do time francês para a próxima fase da competição




No primeiro confronto das oitavas de final da Uefa Europa League, o Olympique Lyonais levou a melhor em casa e venceu o Viktoria Plzen por 4 a 1. Os tchecos abriram o placar com Horava, mas o Gones viraram o jogo com dois de Fofana, um de Lacazette e outro de Mvuemba.

O jogo de volta será disputado no dia 20 de março, às 15h (horário de Brasília), no estádio Struncovy Sady. Antes, o Lyon enfrentará o Monaco pela Ligue 1 no próximo sábado e o Viktoria Plzen encara o FC Slovacko no mesmo dia, pelo campeonato da República Tcheca.

Horava abre o placar, mas Lyon cresce e empata na primeira parte

Os meias Clement Grenier e Yoann Gourcuff foram as principais ausências da equipe francesa nesta quinta. Grenier sentiu dores no púbis e Gourcuff está afastado por conta de uma fratura em duas costelas. O lateral Henri Bedimo ficou fora, após sofrer uma pancada no tornozelo na partida contra o Bordeaux, mas o volante Gueïda Fofana voltou a ser titular depois de ficar no estaleiro desde a partida contra o Chornomorets, pela fase anterior da Europa League.

Pelo Viktoria Plzen, três mudanças foram feitas em relação ao time que jogou no último domingo (9) contra o Sparta Praga. O lateral Roman Hubnik e os meias Milan Petrzela e Jan Kovarik foram colocados no lugar do lateral Radim Reznik, o meia Michal Duris e o atacante Tomas Wagner. Os três substituídos foram opção do técnico Dusan Uhrin no banco.

Mal começou o primeiro tempo e o Viktoria Plzen já abriu o placar. Em uma boa jogada trabalhada pelo lado esquerdo, o meia Jan Kovarik cruzou lançando a bola até a marca do pênalti. O meia Tomas Horava se livrou da marcação do lateral Mouhamadou Dabo e marcou de cabeça logo aos dois minutos de jogo. O Lyon cresceu na partida e tentava penetrar na defesa adversária com cruzamentos e fazia o goleiro Petr Bolek trabalhar com chutes de fora da área.

Aos 11 minutos, numa cobrança de escanteio, veio o empate. O meia Steed Malbranque cobrou o tiro de canto e a bola foi direto para o volante Gueïda Fofana, que a desviou com o joelho e mudou a sua trajetória direto para o gol.

O Lyon continuou superior até a reta final do primeiro tempo, enquanto o Viktoria Plzen, fechado em sua intermediária, apostava nos contra-ataques. O time tcheco até conseguiu levar perigo ao goleiro do Lyon, principalmente nos dez minutos finais da etapa inicial, mas não fez o suficiente para buscar a virada.

Lyon se impõe na base da velocidade e abre larga vantagem

O início do segundo tempo também foi movimentado. Em sete minutos, os franceses marcaram dois gols e praticamente selaram a vitória. Aos sete, a defesa do Viktoria Plzen afastou mal a bola após um chutão da defesa do Lyon. Malbranque recebeu de frente para a defesa do adversário e lançou para o atacante Alexandre Lacazette, que recebeu com espaço e avançou até a grande área, onde chutou para fazer o 2 a 1.

O Viktoria Plzen não teve forças para reagir e o Lyon aproveitava cada erro dos tchecos para criar oportunidades claras de gol. Tanto que o terceiro gol saiu graças a um contra-ataque. A defesa dos Gones conseguiu afastar a bola após a cobrança de falta do meia Pavel Horvath e com bastante velocidade, a bola chegou até Malbranque. Mais aberto pelo lado esquerdo, fez um passe para o volante Arnold Mvuemba: na meia-lua, o jogador dominou a bola no peito, já ajeitando para rematar à gol e fazer o 3 a 1.

As coisas continuaram dando certo para o Lyon, que fez o 4 a 1 numa jogada rápida. Lacazette partiu do lado direito e tocou para Fofana, que na entrada da área executou um chute colocado, para tirar a bola de Bolek e aumentar a vantagem da equipe francesa, aos 25 d segunda etapa.

O técnico Dusan Uhrin tentou dar ânimo ao seu time, tirando Kolar, Horvath e Pertzela para colocar em jogo o defensor Lukas Hejda e os atacantes Michal Duris e Marek Bakos. As mudanças do time tcheco não deram tanto resultado e o Lyon, seguro, controlou o jogo com calma e garantiu a larga vitória de 4 a 1.

FONTE: vavel.com.br/br
FOTOS: olweb.fr


OS GOLS DA PARTIDA:


Quer notícias diárias sobre o Lyon? Clique no banner abaixo e siga-nos no Twitter