sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Sem dar chances ao adversário, Lyon goleia e se mantém entre os líderes

Filipe Frossard Papini
@BrasiLyonnais / @FilipeDidi


Caen chegou somente por duas vezes ao ataque e não conseguiu segurar o poderio ofensivo do OL, comandado por Lacazette e Fekir. Três a zero foi pouco. Lyon poderia ter feito, no mínimo, mais dois gols




Para abrir a 18ª rodada do Campeonato Francês, o Lyon recebeu o Caen - recém promovido da Ligue2 – no Estádio de Gerland. A missão do OL era não se desgrudar lá do topo de cima da tabela e manter o bom ritmo que vem fazendo na competição, em busca da terceira vitória consecutiva. O time visitante, pelo contrário, buscava uma alternativa para sair da incomoda zona de rebaixamento. Antes do início da rodada, o Caen era o penúltimo colocado e vinha de uma sequência de seis jogos sem vencer. Uma situação já ligeiramente desesperadora no começo da competição.

Para o duelo desta sexta, o Lyon entrou em campo, novamente, armado no 4-4-2. Desta vez, quem ganhava mais uma chance no ataque foi Yassine Benzia. A posição ainda não encontrou o seu titular. N’Jie já teve chances, assim como Yattara, e até mesmo Fekir já jogou mais adiantado. Fora isso, nenhuma novidade em nenhum outro setor do campo lionês. No departamento médico ainda estão nomes de titulares como Fofana, Grenier e Gourcuff. Os dois últimos são frequentadores assíduos do DM. Abaixo, você pode verificar como ficou a escalação do OL:




Do outro lado do campo, o Caen tinha um trunfo contra o Lyon que não era um cara que poderia resolver o jogo mas, certamente, era alguém que conhecia o adversário como ninguém: Rémy Vercoutre. O goleiro que atuou durante 12 anos no OL agora defendia um clube rival. Além disso, o grande nome do time comandado por Patrice Garande era Mathieu Duhamel, o centroavante que já havia marcado seis gols na competição antes do início da partida. Definitivamente, era o nome que a defesa dos Gones precisava ter cuidado na hora de ajeitar o seu esquema de marcação. Abaixo, você pode ver como ficou armado o defensivo time do Caen:




Com a bola rolando, não demorou muito para o Lyon começar o jogo já abrindo vantagem. Aos 6’, de partida, Fekir foi derrubado dentro da área e o árbitro Bartolomeu Varela não hesitou ao apontar para a marca da cal. O artilheiro do time e do Campeonato Francês, Alexandre Lacazette cobrou no canto esquerdo de Vercoutre, que sequer se deu ao trabalho de escolher o canto. Ficou parado e viu a bola balançar as redes e abrir o placar! 1 a 0.


Após o gol, não pense você que o Caen conseguiu esboçar alguma reação. Nada disso! O OL mantinha a sua superioridade dentro de campo e fazia valer sua vantagem doméstica. O segundo gol quase saiu em uma jogada construída por Henri Bedimo pelo lado esquerdo. Ele cruzou rasteiro para a chegada de Fekir e Bezia. Os dois se enrolaram e a finalização acabou saindo fraca, facilitando o trabalho de Vercoutre.

Ao longo do primeiro tempo, o Lyon – por muito pouco – quase perdeu dois jogadores por lesão. Primeiro foi o goleiro Anthony Lopes, que se chocou com Nangis e acabou levando a pior. Ele tomou uma canelada no rosto e precisou de atendimento médico. Gorgelin até chegou a aquecer, mas não foi preciso a alteração. Depois foi a vez de Umtiti levar uma cotovelada no rosto, que chegou a sangrar bastante, mas não o suficiente para tirá-lo da partida.


Na primeira etapa do jogo, o Lyon ainda teve outras três grandes oportunidades para ampliar o marcador e não conseguiu. A primeira foi com Jallet, que bateu de primeira depois de um cruzamento mal rebatido pela zaga. Boa interferência de Vercoutre. Depois, Benzia foi derrubado dentro da área, em um lance que foi muito mais pênalti do que aquele que já havia sido marcado e a arbitragem indicou somente escanteio. Foi aí que a terceira boa chance aconteceu. Em cruzamento pra área, Gonalons subiu sozinho e forçou linda defesa de Vercoure. No rebote, Lacazette poderia concluir, mas mandou por cima do gol, para desespero da torcida.

Durante esse tempo todo, o Caen só assustou uma vez. Pierre apareceu bem pelo lado esquerdo do campo e conseguiu efetuar um bom cruzamento pra área. Isolado de seus companheiros, Duhamel tinha somente uma alternativa: bater de primeira. E foi isso que ele fez... e quase acertou. Ele mandou a bola por cima e Anthony Lopes já parecia estar batido no lance. Por sorte do goleiro português, o arremate não foi em direção ao gol.


Na volta do intervalo, o time que incomodou primeiro foi o Caen. Em jogada quase despretensiosa, Seube colocou a bola na área com um lançamento lateral quase do meio de campo. Koita apareceu na segunda trave para concluir o lance e acabou finalizando mal. Mas a chance de gol era iminente.

Contudo, o Lyon acordou depois deste leve susto. Poucos minutos depois, em duas oportunidades seguidas, o time teve mais chances de marcar o segundo. A primeira chance veio através dos pés de Ferri. Ele tabelou e conseguiu entrar na área. Ao bater, chutou fraco, mas no canto e quase conseguiu bater Vercoutre, que se esticou todo e fez ótimo trabalho, mandando para escanteio. Na cobrança, Fekir colocou na cabeça de Jallet, que desviou no primeiro pau e Benzia, embaixo da trave mandou por cima.


Aos 13’ da etapa final, as coisas voltaram a se normalizar.  As chances do Lyon, finalmente, se transformaram em gol. Primeiramente, em mais uma cobrança de escanteio, Umtiti desviou e a bola sobrou no fundo da área para Lacazette. O artilheiro da Ligue1 dominou e fuzilou Vercoutre. O ex-goleiro do Lyon não conseguiu nem ver onde a bola passou. O potente chute tirou a torcida do OL do chão, podendo comemorar o gol do alívio e da vantagem.

Somente quatro minutos depois, a vantagem se transformaria em goleada. O Caen se desestabilizaria no momento e deixava o Lyon fazer o que quisesse dentro de campo. Foi aí que Fekir começou a passear do meio de campo pra frente e, mais uma vez, realizou outra assistência nesta Ligue1. Na entrada da área ele esperou a marcação dobrar e, no momento certo, somente rolou para Benzia chegar batendo forte. Vercoutre chegou a encostar na bola, mas não o suficiente para evitar o gol! 3 a 0.


Em determinado momento da partida, já se aproximando do fim, os times foram fazendo suas substituições. O Lyon colocou Ghezzal, Yattara e Mvuemba em campo. Tirou Benzia, Lacazette e Ferri. Pelo outro lado, Garande colocou Bazile, Adeoti e Raspetino, tirando Nangis, Kante e Fodé Koita. O OL, definitivamente, poupava Lacazette e Ferri, além de aliviar a barra de Benzia, que vinha mal em campo e fez o gol para “sair por cima”.

Sem o homem gol dentro de campo, o Lyon poderia ter feito o quarto gol, quando Fekir, ainda jogando uma barbaridade dentro de campo foi, novamente, derrubado dentro da área. O Sr. Varela marcou pênalti novamente. O capitão Gonalons iria partir para a cobrança e Fekir pediu a bola. Na cobrança, o meia do Lyon bateu mal e Vercoutre defendeu. No rebote, Fekir foi displicente e chutou de qualquer jeito pra fora.


Antes do apito final, o Lyon chegou a colocar uma bola na trave. Foi em cobrança de falta de Ghezzal. Ele cobrou fraco, bem longe da área... Mas colocou muito efeito na bola. Vercoutre demorou a cair e a bola balançou sua trave direita. Esta mesma trave iria ser sacudida já nos acréscimos, se não fosse outra intervenção de Vercoutre. Quando Yattara recebeu cruzamento e subiu mais alto que todo mundo, a bola foi bem devagar e caminhou até encostar na ponta dos dedos do goleiro do Caen. Por fim, o OL venceu por 3 a 0 e termina a sexta-feira a um ponto do PSG e dois do Marseille, logicamente, com uma partida a menos.

Agora o OL dá uma pausa em Ligue1 e se concentra para receber o Monaco, no Stade Gerland, em partida eliminatória das oitavas de final da Copa da Liga. O jogo será na próxima quarta-feira, às 18h do horário de Brasília. Até lá!

FOTOS: olweb.fr


MELHORES MOMENTOS:
video


Quer notícias diárias sobre o Lyon? Clique no banner abaixo e siga-nos no Twitter

Nenhum comentário:

Postar um comentário