sábado, 28 de fevereiro de 2015

Cai a invencibilidade de 11 jogos na Ligue1 e Lyon dá passagem ao PSG

Filipe Frossard Papini
@BrasiLyonnais / @FilipeDidi


Lyon não suporta pressão do Lille no segundo tempo, toma virada e pode perder a liderança do Campeonato Francês para o Paris Saint-Germain amanhã




Já há 7 rodadas na liderança do Campeonato Francês, o Lyon luta pra não ser considerado aquele famoso “cavalho paraguaio”. Para evitar isso, teria que enfrentar situações difíceis, como pegar Monaco e PSG na sequência e agora três jogos fora de casa seguidos. A primeira batalha desta foi contra o Lille, no começo da tarde deste sábado. Os dois times em situações bem distintas. O Lille, na 12ª colocação, praticamente só cumpre tabela na Ligue1. Mas, ao mesmo tempo, briga para não ficar navegando ali perto da zona de rebaixamento. O Lyon, por sua vez, tinha a missão de não deixar PSG e Marseille se aproximarem. Nesta rodada, inclusive, o OM já perdeu no sábado, o que poderia dar uma margem de 7 pontos do Lyon em caso de vitória hoje.

Para o jogo, Rene Girard montou o time com uma formação bastante similar a do Lyon. Tendo os desfalques de Sidibe, Rozhenal e Marvin Martin, o ex-treinador campeão com o Montpellier tinha o fator casa como a principal arma para bater o embalado Lyon. Além disso, depositava esperanças na sua zaga gringa, formada por Basa e Kjaer – assim como o francês Rio Mavuba – para parar o trio de ataque do Lyon, que hoje não tinha Gourcuff mas, ainda assim, era bastante perigoso. Abaixo você consegue ver como ficou escalado os Dogues para o confronto de hoje:




A única grande diferença do Lyon para a partida de hoje era o retorno de Ghezzal ao time titular. E para que isso ocorresse, Gourcuff acabou indo para o banco. Não se sabe se o experiente meia sentiu algo no aquecimento ou se foi opção técnica de Fournier. De todo modo, Jallet também voltava ao time principal após ter sido poupado na última semana depois de ter sentido dores musculares. Na frente, Lacazette, agora sem qualquer dúvida com relação ao seu condicionamento físico pós-lesão fazia a dupla com Fekir. Confira abaixo a formação do OL para o jogo:




Com o Stade Pierre Mauroy lotado e com a cobertura superficial fechada em função do frio na França, os torcedores presentes não tiveram nem tempo para aquecer sua voz e o Lyon abriu o placar logo aos 3’. Em cruzamento de escanteio, Jallet tentou dar uma encostada na bola mas não mudou o rumo da mesma, para completar, Tolisso, de perna direita, colocou pro fundo das redes, abrindo o placar logo cedo. 1 a 0!


Certamente, não esperando o gol precoce, o Lille se viu na obrigação de sair para o jogo e buscar o resultado. Os Dogues avançaram suas linhas de marcação e tentaram fazer uma pressão logo após sofrer o gol. Não conseguiram ameaçar muito o gol de Anthony Lopes, mas buscava a reação. O Lyon, por outro lado, mostrava muita maturidade e mesmo na pressão adversária, sabia ter a calma e paciência pra não se afobar, com ou sem bola.

A tentativa de pressão do LOSC não demorou muito tempo. Rapidamente o Lyon se recompôs e já não sentia mais os problemas. Aos poucos, voltava ao controle do jogo e permitia um avanço continuo de seus homens de frente. Algumas jogadas corriqueiras apareciam ora com Fekir, ora com Lacazette, que sabiam, principalmente, prender muito bem a bola no campo de ataque, já segurando o resultado.


Ainda antes do primeiro tempo, o técnico Rene Girard, avaliando que o seu time estava sendo praticamente engolido taticamente pelo Lyon, fez sua primeira alteração, aos 38’. Jonathan Delaplace, volante, entrou no lugar de Ryan Mendes, meia que estava mais solto. Uma alteração de ordem defensiva que, talvez, na visão de Girard, ganharia mais volume no meio-campo. Mendes, certamente, saiu extremamente chateado e chutando as garrafinhas d’água na beira do campo.

Imediatamente após a troca do Lille, o Lyon teve a chance de ampliar. Ghezzal recebeu bola no centro e armou contra-ataque. Ele tinha três opções para soltar a bola: Lacazette, na frente e bem marcado; Fekir, na esquerda e avançando sozinho; e Ferri, na direita, também marcado. Ele não viu Fekir avançando e acabou soltando para Ferri, que se embolou e perdeu a bola para o marcador. Nenhum dos três jogadores na jogada entendeu o que Ghezzal tentou fazer e se queixaram da chance desperdiçada.


Para o segundo tempo, o Lille voltou bem melhor. Parecia ter muito mais vontade e o vestiário fez bem para Rene Girard ligar o time no 220v. Sem nenhuma alteração – fora Delaplace no primeiro tempo – o LOSC voltou bem mais no jogo. O OL com aquela de querer segurar o resultado, acabou sendo displicente e deu espaços para o time da casa crescer. E era tudo que os Dogues queriam.

Aos 11’ da segunda etapa, Gonalons tentou fazer uma virada de jogo e entregou nos pés do adversário. Contra-ataque acionado, Jallet e Koné não conseguiram evitar a tabela e Idrissa Gueye, sem muito trabalho, conseguiu finalizar já dentro da pequena área, empatando a peleja. Uma jogada que misturou cochilo da defesa do OL com uma competência e velocidade do ataque dos Dogues.


E não ficou por aí. Apenas 4’ depois de sofrer o empate, o Lyon concederia outro espaço para o Lille chegar como quiser e fazer o segundo. Dessa vez, o apagão veio do meio de campo como um todo. Rony Lopes carregou a bola como quis na intermediária do ataque e, quando viu a brecha, chutou forte e rasteiro. A bola entrou no canto direito de Lopes, que pagou geral para o seu time depois do gol.

Precisando mostrar alguma reação dentro de campo, Fournier preparou duas alterações ao mesmo tempo. Tirou Ferri e Ghezzal para colocar Malbranque e Gourcuff. Taticamente, o time ganhava mais um homem técnico na criação e poderia deixar Fekir e Lacazette mais infiltrados. E o Lyon tentava buscar o empate novamente. Bedimo teve uma ótima chance, dentro da área, aos 27’ da etapa final.


Mesmo com o OL tentando, o Lille – diferente do que fez o rival no primeiro tempo – não segurava o resultado. Continuava batendo, tentando e agredindo o Lyon em ótimas oportunidades, principalmente de contra-golpes. Em uma delas, Anthony Lopes saiu de forma espetacular nos pés de Delaplace para evitar o terceiro gol dos donos da casa. E o Lyon ainda ficava devendo no ataque.

Já sem alternativas dentro de campo, Fournier fez a última troca e tirou o capitão Maxime Gonalons – que fez uma das piores partidas dele com a camisa do OL. Para o seu lugar, entrou o camaronês Clinton N’Jie. No momento, somente Tolisso compunha o setor defensivo do meio-campo do Lyon, com o auxílio de Malbranque, que não é volante de origem. Era tudo ou nada e Fournier estava pronto para, ou fazer um, ou levar mais.


Mesmo com Girard colocando Diaby no lugar de Origi, dando fôlego novo ao ataque, o panorama não mudou. O Lyon tentou no finalzinho, bateu, mas não o suficiente para transpor Enyeama novamente. O Lille deu um show tático no segundo tempo e soube engolir o OL de forma que Fournier não esperava. Caiu a invencibilidade de 11 jogos na Ligue1 e a liderança fica ameaçada. Amanhã, somos todos Monaco!

Agora o Lyon só volta aos gramados no domingo da semana que vem, dia 08/03. O adversário será o Montpellier, no Stade de La Mosson. O OL terá a missão de defender sua liderança, ou tentar reconquistá-la – dependerá somente do PSG. O jogo será válido pela 28ª rodada da Ligue1 e será às 17h. Até lá!

FOTOS: SoFoot/ L'Equipe / olweb.fr


OS GOLS DA PARTIDA:
video


Quer notícias diárias sobre o Lyon? Clique no banner abaixo e siga-nos no Twitter

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

[LIGUE1 14/15] 27ª rodada - Lille x Lyon

Filipe Frossard Papini
@BrasiLyonnais / @FilipeDidi


FOTO: olweb.fr

Líder do Campeonato Francês com 54 pontos, o Lyon entra em campo neste sábado, pela 27ª rodada, para visitar o Lille no Estádio Metropole, em Lille, disposto a obter uma vitória que o mantenha na ponta da tabela de classificação. Diante de um adversário que tem 32 pontos e praticamente cumpre tabela, sem maiores aspirações na temporada, os líderes esperam ter uma atuação convincente e conseguirem se impor.

"O Lille tem seus profissionais comprometidos com o sucesso do time, porém, o Lyon tem pretensões muito grandes para esta temporada, está trabalhando com muito empenho e muita determinação e não pretende abrir mão de somar três pontos, mesmo como visitante. Vamos tentar nos impor desde os primeiros minutos", afirmou Anthony Lopes, goleiro do Lyon.

Os Gones, contando apenas os jogos do Campeonato Francês, estão invictos a 11 jogos. Contudo, a equipe só conseguiu duas vitórias nos últimos cinco compromissos pela competição, o que deixou os rivais próximos na tabela.

Por outro lado, o Lille está em baixa na temporada. O time ocupa a modesta 12ª colocação, com 32 pontos, somente a seis da zona de rebaixamento. Nos últimos sete jogos, a equipe somou apenas uma vitória e quatro derrotas. Mesmo assim, os Dogues acreditam que podem surpreender o líder do Campeonato Francês.

"Temos de esperar um jogo difícil, já que o Lyon disputa o título e isso aumenta a força da equipe em 10 vezes. Do nosso lado, estamos em uma época complicada, mas é uma grande chance em casa", contou o volante Mavuba.

TEXTO: Terra.com.br

O confronto entre Lille e Lyon acontece neste sábado (28/02), ao meio dia. O SporTV e a ESPN irão transmitir o jogo ao vivo. Abaixo, confira os relacionados pelos dois clubes.


LYON:

GOLEIROS: Mathieu GORGELIN e Anthony LOPES;
LATERAIS: Christophe JALLET, Mouhamadou DABO e Henri BEDIMO;
ZAGUEIROS: Samuel UMTITI, Lindsay ROSE e Bakary KONÉ;
VOLANTES: Corentin TOLISSO, Jordan FERRI e Maxime GONALONS;
MEIAS: Nabil FEKIR, Rachid GHEZZAL, Steed MALBRANQUE e Yoann GOURCUFF;
ATACANTES: Mohamed YATTARA, Alexandre LACAZETTE e Clinton N'JIE;
TÉCNICO: Hubert FOURNIER;
DESFALQUES: Milan BIŠEVAC, Gueïda FOFANA, Arnold MVUEMBA e Clément GRENIER


LILLE:

GOLEIROS: Steeve ELANA e Vincent ENYEAMA;
LATERAIS: Sébastien CORCHIA, Djibril SIDIBÉ, Franck BÉRIA;
ZAGUEIROS: Marko BAŠA e Simon KJÆR;
VOLANTES: Rio MAVUBA, Idrissa GUEYE, Florent BALMONT, Jonathan DELAPLACE e Souahilo MEÏTÉ;
MEIAS: Marcos LOPES, Sofiane BOUFAL e Adama TRAORÉ;
ATACANTES: Nolan ROUX, Divock ORIGI, Ryan MENDES, Abdoulaye DIABY e Kevin KOUBEMBA;
TÉCNICO: René GIRARD;
DESFALQUES: Djibril SIDIBÉ, David ROZENHAL e Marvin MARTIN


Quer notícias diárias sobre o Lyon? Clique no banner abaixo e siga-nos no Twitter

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Lyon desperdiça pênalti no último minuto, mas vence o Nantes pelo placar mínimo

Filipe Frossard Papini
@BrasiLyonnais / @FilipeDidi


Jogo marcou o retorno de Lacazette ao time, que contribuiu com a assistência para o gol de Fekir. OL segue na liderança




Foram três jogos, nenhuma vitória e nenhum derrota. O Lyon até conseguiu se virar bem sem Alexandre Lacazette. O artilheiro do time e da Ligue1 ficou de fora por três jogos devido a uma lesão na coxa e desfalcou o OL em partidas importantes, como Monaco e PSG, além do Lorient, que criou forte resistência contra o atual líder do campeonato. Hoje, diante do Nantes, no Stade Gerland, Lacazette estava de volta ao time. Era dúvida se começaria jogando ou se entraria no segundo tempo. Fournier não titubeou e escalou o atacante logo de cara. Diferentemente das rodadas anteriores, desta vez, o PSG não deu mole e já havia ganhado, ultrapassando temporariamente o OL na tabela. A responsabilidade de entrar em campo e vencer crescia e Lacazette tinha que mostrar pra torcida e para os críticos que estava de volta.

Com Lacazette mas sem Jallet. Para enfrentar o Nantes, Fournier contava com o retorno de seu principal jogador mas também perdia uma peça importante, que dava equilíbrio e bastante experiência no setor defensivo. Christophe Jallet sentiu dores no treinamento durante a semana e era ausência certa. Arnold Mvuemba, que começou jogando contra o Lorient, também teve problemas com lesão e ficou de fora. Dessa forma, Dabo assumiu a posição no lado direito, Ferri voltou pro meio de campo e Gourcuff, diferentemente de semana passada, desta vez começou jogando entre os titulares. Confira o time escalado pelo Lyon no começo da tarde deste domingo:




Para enfrentar o Lyon, o técnico franco-armênio, Michel Der Zakarian armou seu time no 4-2-3-1. Mas, assim como o OL, também tinha lá seus desfalques. Alejandro Bedoya e Johan Audel estavam ausentes. Ainda assim, não era um time que podemos dizer que estava remendado. O Nantes vinha praticamente com força total para enfrentar aquele que era o líder antes da rodada se iniciar. Até porque os três principais nomes do time estavam em campo: o centroavante Bangoura, o rápido Gakpé e o artilheiro da equipe na Ligue1, Veretout. Abaixo, você pode ver como ficou escalado o time de Der Zakarian que enfrentou o OL nessa 26ª rodada:




O Lyon parecia ter absorvido a responsabilidade de ganhar. E estar dentro de casa era primordial para entrar bem em campo e fazer o dever. Antes mesmo dos 10’ iniciais, o OL já tinha criado duas chances claras de gol. A primeira foi com Fekir após um cruzamento rasteiro de Dabo. O meia do Lyon recebeu sozinho na área e, de canela, acabou mandando por cima. Depois foi a vez do próprio Fekir fazer jogada individual, a bola rebater em Veigneau e sobrar de frente pro gol para Gourcuff arrematar. O camisa 8 chutou mascado e desperdiçou.


Mesmo ainda sem conseguir fazer o gol, o Lyon conseguia ter amplo domínio do jogo. Conseguia fazer uma posse de bola maciça, atingindo quase 70%. Mas isso não se convertia a finalizações. Até chegava bem perto da área adversária, mas pouco assustava o goleiro Riou. O time ainda dependia dos espasmos de qualidade de Lacazette, Fekir e Gourcuff. Mas eles não apareciam no primeiro tempo.

O Nantes só apareceu pela primeira vez aos 26’ de jogo. A teve uma chance clara de abrir o placar. O capitão Veigneau achou Gakpé se deslocando pela esquerda e descolou ótimo passe, nas costa de Dabo. Gakpé recebeu e avançou em velocidade já dentro da grande área. Na hora de finalizar, tentou colocar caprichosamente no canto esquerdo de Anthony Lopes. O chute de trivela passou a centímetros da trave, arrancando suspiros da arquibancada.


Aos 34’, o Nantes chegaria novamente com perigo. Foi a vez de Bangoura aproveitar uma falha da marcação do setor defensivo do Lyon, chegar na entrada da área e esperar a passagem de Cissokho pela direita. O lateral chegou e bateu de primeira. Mas o chute bateu na rede pelo lado de fora do gol de Lopes. Naquele momento, o OL já não dominava mais a partida e o Nantes era quem comandava o jogo no Gerland.

No momento em que o Lyon estava mais apagado no jogo, Fekir fez o time dar uma balançada. Aos 40’, o meia franco-argelino cobrou falta. Era muito mais para cruzamento do que cobrança direta. Mas ele preferiu bater pro gol. A bola fez uma curva enorme, com muito veneno e a bola explodiu na junção da trave com o travessão. O lance surpreendeu a todos e agitou mais a torcida dos Gones, que voltava a gritar.


Para a segunda etapa, o Lyon voltava melhor. Hubert Fournier parece ter dado uma injeção de ânimo nos vestiários e o OL voltou atacando mais. Logo nos primeiros momentos, Lacazette teve oportunidade em chute fora da área. Pouco tempo depois, foi a vez de Yoann Gourcuff descolar uma assistência com pura técnica para Lacazatte desperdiçar na entrada da área ao tentar fazer uma assistência para Fekir.

No desenrolar do segundo tempo, o Lyon criou várias pequenas oportunidades de gol. Seja de bolas paradas ou de jogadas individuais – quase todas elas criadas por Lacazette. Mas, ainda assim, era ineficiente para chegar a abrir o placar. Faltava um algo mais. Talvez inverter: deixar Fekir fora da área e Lacazette dentro dela. E o inverso acontecia de maneira inexplicável. Gourcuff também precisava afiar mais o passe.


Aos 22’ do segundo tempo, tudo se encaixou. Gourcuff afiou o passe e achou Lacazette fazendo o pivô. Ele escorou e esperou a passagem de Fekir. O camisa 18 recebeu e, mesmo pressionado pela defesa e pelo goleiro Riou, o meia do Lyon conseguiu empurrar para o gol, meio de letra, sem querer. A bola foi entrando bem devagar até no fundo das redes. Lyon na frente, 1 a 0!

Imediatamente após marcar o seu gol, o Lyon fez sua primeira alteração na partida. Precisando poupar Lacazette, que voltava de lesão, Fournier colocou Clinton N’Jie. Depois, foi a vez de Gourcuff dar lugar a Ghezzal. Der Zakarian também fez duas trocas. Entrou Bammou e N’Koudou para as saídas de Bangoura e Gakpé. Nenhuma das trocas fez mudar a formação tática das duas equipes, que se mantinham iguais dentro de campo. Depois foi a vez do jovem Iloki entrar no lugar de Bessat.


O Nantes teria os últimos dez minutos de jogo para tentar buscar o empate no Gerland. Tinha qualidade para isso. Poderia, inclusive, ter aberto o placar no primeiro tempo, antes mesmo do Lyon. Mas faltava qualidade no setor ofensivo. Qualidade de finalização. Faltava alguém pra chamar a atenção e criar um lapso de qualidade... em uma hipotética jogada individual. Ao invés disso, o Der Zakarian mandava homens pra área e alçava bolas.

Faltando pouco mais de cinco minutos para o término do jogo, Fournier mudou pela última vez e colocou Malbranque no lugar de Ferri.  A experiência do meia poderia fazer a diferença no finalzinho do jogo, uma vez que ele poderia segurar um pouco mais o jogo no meio de campo e poderia dar uma dinâmica totalmente diferente na troca de passes do setor. E foi exatamente isso que aconteceu. O Lyon não passou mais sufoco no jogo.


Muito pelo contrário. Quem quase marcou o gol foi o Lyon... e por várias vezes. N’Jie teve duas claras oportunidades e desperdiçou, Fekir também. E a melhor delas foi desperdiçada por Gonalons. Em lance que Fekir recebeu em profundidade, acabou sendo derrubado por Riou. O árbitro Fredy Fautrel marcou pênalti. Com Lacazette já fora e Fekir sentindo o tornozelo, o capitão chamou a responsabilidade e bateu pra fora. Mas já era o último lance do jogo e o OL garantiu a vitória pelo placar mínimo

Agora o Lyon terá uma sequência de três jogos fora de casa para seguir defendendo a liderança. E o primeiro deles será contra o Lille, no Pierre-Mauroy. O jogo será no próximo sábado, dia 28/02, meio-dia, no horário de Brasília, valendo pela 27ª rodada da Ligue1. Até lá!

FOTOS: L'Equipe / fcnantes.com


MELHORES MOMENTOS:
video


Quer notícias diárias sobre o Lyon? Clique no banner abaixo e siga-nos no Twitter

sábado, 21 de fevereiro de 2015

[LIGUE1 14/15] 26ª rodada - Lyon x Nantes

Filipe Frossard Papini
@BrasiLyonnais / @FilipeDidi


FOTO: olweb.fr

O anseio do Lyon finalmente chegou ao fim. Foram três longas semanas de espera e muita preocupação com jogos duros contra Mônaco, Paris Saint Germain e Lorient e com dúvidas se conseguiria se sair bem sem ter Lacazette. Ao fim do período podemos dizer que sim. Embora não tenha vencido nenhum desses jogos, o Lyon jogou bem em todos eles, sendo ainda prejudicado pela arbitragem no confronto com o PSG. Como Marseille e o próprio PSG tropeçaram bastante, o Lyon segue na ponta da tabela e agora tem tudo para voltar a vencer com seu artilheiro de volta.

O Nantes fez sua última boa partida exatamente contra o Lyon. A equipe, que começou a crescer durante o mês de Novembro, se manteve em evolução até o fim de janeiro e comecinho de fevereiro, mas desde que bateu o Lyon por 3 a 2 em um jogo insano da Copa, a equipe desligou e não voltou a ter o mesmo rendimento. A equipe marcou apenas um gol na Ligue 1 em 2015. A queda de rendimento é nítida e o time tenta dar a volta por cima visitando o OL.

ADATPADO DE: Apostas Online

O confronto entre OL e Nantes acontece neste domingo (22/02), às 13h no horário de Brasília (já sem o Horário de Verão). O SporTV, a ESPN e a Watch ESPN (via internet) irão transmitir o jogo ao vivo. Abaixo, confira os relacionados pelos dois clubes.


LYON:

GOLEIROS: Mathieu GORGELIN e Anthony LOPES;
LATERAIS: Mehdi ZEFFANE, Mouhamadou DABO e Henri BEDIMO;
ZAGUEIROS: Samuel UMTITI, Lindsay ROSE e Bakary KONÉ;
VOLANTES: Corentin TOLISSO, Jordan FERRI e Maxime GONALONS;
MEIAS: Nabil FEKIR, Rachid GHEZZAL, Steed MALBRANQUE e Yoann GOURCUFF;
ATACANTES: Mohamed YATTARA, Alexandre LACAZETTE e Clinton N'JIE;
TÉCNICO: Hubert FOURNIER;
DESFALQUES: Christophe JALLET, Milan BIŠEVAC, Gueïda FOFANA, Arnold MVUEMBA e Clément GRENIER


NANTES:

GOLEIROS: Rémy RIOU e Maxime DUPÉ;
LATERAIS: Chaker ALHADHUR, Issa CISSOKHO, Léo DUBOIS e Olivier VEIGNEAU;
ZAGUEIROS: Papy DJILOBODJI, Kian HANSEN e Oswaldo VIZCARRONDO;
VOLANTES: Lucas DEAUX, Rémi GOMIS e Jordan VERETOUT;
MEIAS: Vincent BESSAT, Serge GAKPÉ, Jules ILOKI e Georges-Kevin N'KOUDOU;
ATACANTES: Yacine BAMMOU e Ismaël BANGOURA;
TÉCNICO: Michel DER ZAKARIAN;
DESFALQUES: Alejandro BEDOYA e Johan AUDEL


Quer notícias diárias sobre o Lyon? Clique no banner abaixo e siga-nos no Twitter

domingo, 15 de fevereiro de 2015

Mesmo fazendo sua pior partida na temporada, Lyon consegue um empate em La Moustoir

Filipe Frossard Papini
@BrasiLyonnais / @FilipeDidi


Com o resultado, time abre dois pontos de vantagem de Marseille e PSG




A 25ª rodada se construiu toda para o Lyon se dar bem. Começando pelos tropeços de Olympique de Marseille, que empatou por 2 a 2 com o Reims na sexta-feira e depois o PSG, que fez o mesmo placar diante do Caen no sábado. Dessa maneira, o OL tinha a tabela completamente favorável pra si: era líder mesmo em caso de derrota para o Lorient. Entrava em campo com 50 pontos contra 49 dos dois outros concorrentes mais próximos.  A ligeira vantagem dava uma tranquilidade bem maior para os jogadores fazerem o dever de casa e abrir quatro pontos de vantagem dos vice-líderes. Sem poder contar com a estrela do time, Alexandre Lacazette, esse panorama era bastante favorável ao inexperiente time do OL.

O adversário do Lyon na noite deste domingo era o Lorient, que não vem fazendo uma boa campanha nesta temporada. Entrou em campo sendo o 17º colocado, mas com um incentivo de poder subir até quatro posições com uma vitória comum e cinco, em caso de uma hipotética goleada. De todo modo, o Lorient sofria com desfalques. E todos os cinco jogadores que estavam de fora são potenciais titulares do time do técnico Ripoll: Audard, Mostefa, Coutadeur, Jouffre e Quercia. Por outro lado, os Merlus contavam com o retorno de Jordan Ayew, que voltava da Seleção Ganesa na CAN e estava disponível no banco de reservas. Abaixo, você pode ver como ficou escalado o FCL:




O Lyon tinha mudanças em relação ao time que enfrentou o PSG. Lindsay Rose herdou a vaga do machucado Bisevac na zaga. No meio de campo, Mvuemba, que vem se destacando bastante nos treinamentos, “roubou” o lugar que era ocupado por Jordan Ferri. Importante dizer também que Mvuemba é ex-jogador do Lorient e agora ele tinha a oportunidade de enfrentar seu antigo clube. Na frente, Fekir foi recuado e voltou a atuar na sua posição de origem: meia articulador, central. Na frente, Cornet começou jogando e Gourcuff foi pro banco. N’Jie completava a dupla de ataque. As dúvidas de Fournier ficavam nas duas laterais. Tanto Bedimo quanto Jallet sentiram dores nos treinamentos mas, mesmo assim, foram pro jogo. Abaixo, a formação tática do OL:




Para enfrentar o inverno rigoroso da França, o Lorient decidiu aplicar grama sintética no Stade Le Moustoir, perdia o espetáculo, mas era a alternativa que o time da casa tinha para não perder jogos no seu mando. E foi justamente o time da casa quem começou melhor. O Lorient quase abriu o placar aos 2’ de jogo. O OL saiu jogando errado e Jeannot entrou dentro da área. Pressionado pela defesa e aos trancos e barrancos, ele conseguiu passar por Lopes, finalizou mas, em cima da linha, Umtiti cortou o perigo.


O Lyon demorou muito pra tentar se encontrar no jogo. Nos primeiros 25’ sofreu uma pressão desnecessária dos Merlus e ponto de quase sofrer gols em algumas oportunidades. O detalhe ficou apenas no momento do último passe. O Lorient pecava muito nesse momento. Parecia afobado ou desesperado para querer marcar logo um gol e isso dificultava os homens de frente a fazer o que tinha que ser feito. Enquanto isso, a bola queimava no pé dos jogadores do OL no meio de campo pra frente.

A primeira finalização ao gol do Lyon só foi acontecer aos 30’ de jogo. Fekir recebeu do lado direito do campo e bateu firme e rasteiro da entrada da área. O chute cruzado não foi perigoso para Lecomte cair e fazer a defesa sem demais problemas. Mas, no lance seguinte, o OL cochilou novamente e quase entregou de bandeja para o adversário marcar. Em cruzamento pra área, a bola percorreu todo o perímetro até Jallet quase marcar contra.


Os lapsos de bons momentos do Lyon eram criados quando  a bola passava pelos pés de Nabil Fekir, o franco/argelino conseguiu quebrar a boa montagem da defesa dos Merlus e tentava, a princípio, em vão, lances de perigo. Aos 36’, ele recebeu na entrada da área e quando começaria a costurar os defensores, sofreu uma forte pancada no joelho e nada foi marcado pelo árbitro Stéphane Lannoy. Apesar do meia ter ficado estirado no chão com dores, ele prosseguiu no jogo.

Com o fim do primeiro tempo, os jogadores do Lyon voltavam pro vestiário, de certa forma, aliviados. O empate em branco no placar era praticamente um grande feito para os Gones, que sofreram bastante na etapa inicial. O time praticamente não criou nada e ficou a ver navios nas mãos de Guerreiro, Philippoteaux, Mesloub e Jeannot. Ripoll soube neutralizar perfeitamente o adversário e o gol só não saiu por detalhe.


Para o segundo tempo, o Lorient voltou com alteração do vestiário. Ripoll decidiu tirar um volante, Abdullah, e colocou o ganês Jordan Ayew. A mudança foi certeira! Com 6’ da etapa complementar, Philippoteaux recebeu na direita, teve tempo de olhar pra área e viu Ayew se deslocando. Sem marcação alguma, ele só teve o trabalho de empurrar para as redes de cabeça para abrir o placar! 1 a 0.

Alguns poucos minutos depois, no susto, o Lyon quase conseguiu o empate. Em lance de bola parada, Fekir levantou na área, a zaga desviou ligeiramente e Umtiti, no segundo pau, estava lá para conferir. Lecomte, em puro lance de reflexo, conseguiu defender em cima da linha. Posteriormente, foi vez de Fekir aparecer individualmente de novo. Ele recebeu na entrada da área, cortou o defensor e bateu rasteiro. A bola passou perto da trave esquerda do goleiro dos Merlus.


Perto dos 15’ do segundo tempo, o Lyon, precisando dar uma sacudida no time, fez sua primeira alteração. Gourcuff, que esperava-se ser titular na partida, entrou em campo no lugar de Cornet. Dessa forma, o OL voltava pra sua formação nos últimos dois jogos: Gourcuff construindo as jogadas e Fekir mais avançado, jogando como segundo atacante, agora fazendo dupla com o camaronês Clinton N’Jie, que pouco aparecia no jogo.

A segunda troca de Fournier foi a entrada de Jordan Ferri no lugar de Arnoldo Mvuemba, que não fez uma boa partida (assim como boa parte de todo o time). Neste momento, o Lyon tinha em campo a mesma equipe que começou jogando contra o PSG e o time que todos esperavam que começasse jogando hoje. Provavelmente o técnico do Lyon queria fazer alguns testes que, fatalmente, deram errado.


Faltando um pouco mais de 10’ para o fim de jogo, Ripoll, não muito satisfeito com o 1 a 0, colocou mais um homem de frente em campo. Tirou Guerreiro e colocou Lavigne. Philippoteaux foi pra esquerda e Lavigne caia pra direita. Erro de Ripoll, poucos minutos depois, o Lyon igualaria o placar. Gourcuff ganhou no meio, limpou a jogada e achou Bedimo se deslocando na lateral. O camaronês cruzou e achou N’Jie sozinho na área, que finalizou e empatou! 1 a 1.

Já perto do fim do jogo, Ripoll mexeu pela última vez e colocou Barthelme no lugar do exausto (e bom) Philippoteaux. Quase que a troca surtiu efeito negativo de novo, uma vez que o Lyon, por muito pouco, não virou o placar. Jallet recebeu um passe que atravessou toda a extensão da área adversária e bateu de primeira. A bola chegou a desviar na zaga e Lecomte fez uma mágica defesa no Le Moustoir, salvando sua equipe de uma derrota.


Por fim, o Lyon até melhorou bastante no jogo e chegou, no finzinho do jogo, a ser melhor que o Lorient na partida. Mas já era tarde demais. Na base do “abafa”, o time até tentou virar a partida. Os lapsos de Fekir se uniram com o de Gourcuff e o time ganhou em qualidade. Mas não houve tempo o suficiente para bater os Merlus. Melhor em campo pra gente? Samuel Umtiti! Não errou uma lá atrás, mesmo quando o time foi bombardeado no primeiro tempo.

Na próxima semana, o Lyon volta a jogar nos seus domínios para defender a liderança. Enfrenta o Nantes, pela 26ª rodada da Ligue1. O jogo será no próximo domingo, dia 22, às 13h do horário de Brasília (já fora do horário de verão). Até lá!

FOTOS: L'Equipe / olweb.fr


GOLS DA PARTIDA:
video


Quer notícias diárias sobre o Lyon? Clique no banner abaixo e siga-nos no Twitter

sábado, 14 de fevereiro de 2015

[LIGUE1 14/15] 25ª rodada - Lorient x Lyon

Filipe Frossard Papini
@BrasiLyonnais / @FilipeDidi


FOTO: olweb.fr

O Lyon está sem seu principal jogador, Alexandre Lacazette, há duas rodadas. E o artilheiro da competição acabou não enfrentando dois dos maiores adversários do Lyon no Campeonato Francês: Monaco e PSG. E, nem por isso, o time heptacampeão francês sofreu. Conseguiu, através de uma tática de contra-ataques, não perder pra nenhum deles. Amanhã, diante de um adversário teoricamente mais fácil, Lacazette continua de fora e o Lyon terá a tranquilidade de ser o líder da competição mesmo em caso de derrota.

Isso se deve ao fato do Marseille e do PSG já terem jogado na 25ª rodada. Ambos empataram e deixaram, novamente, o caminho livre para o OL disparar na liderança. Uma vitória sobre o Lorient coloca o time a quatro pontos de distância do vice colocado. E, nesta altura do campeonato, seria uma grande vantagem, uma vez que a competição se aproxima da fase derradeira. Torna-se crucial somar pontos agora para não sofrer na reta final. Além de Lacazette, o Lyon sofre com as ausências dos lesionados Fofana, Grenier e Bisevac. Jallet sentiu dores no treinamento na sexta-feira e segue em dúvida. Talvez não comece entre os titulares. O Lorient, por sua vez, possui cinco desfalques e todos eles - assim como no Lyon - são importantes e potenciais titulares.

O confronto entre Lorient e OL acontece neste domingo de Carnaval (15/02), às 18h no horário de verão de Brasília. O SporTV2, a ESPN Brasil e a Watch ESPN (via internet) irão transmitir o jogo ao vivo. Abaixo, confira os relacionados pelos dois clubes.


LYON:

GOLEIROS: Mathieu GORGELIN e Anthony LOPES;
LATERAIS: Christophe JALLET, Mouhamadou DABO e Henri BEDIMO;
ZAGUEIROS: Samuel UMTITI, Lindsay ROSE e Bakary KONÉ;
VOLANTES: Arnold MVUEMBA, Corentin TOLISSO, Jordan FERRI e Maxime GONALONS;
MEIAS: Nabil FEKIR, Rachid GHEZZAL, Steed MALBRANQUE e Yoann GOURCUFF;
ATACANTES: Maxwell CORNET, Yassine BENZIA e Clinton N'JIE;
TÉCNICO: Hubert FOURNIER;
DESFALQUES: Milan BIŠEVAC, Gueïda FOFANA, Clément GRENIER, Alexandre LACAZETTE


LORIENT:

GOLEIROS: Benjamin LECOMTE e Florent CHAIGNEAU;
LATERAIS: Lamine GASSAMA, PEDRINHO e Vincent LE GOFF;
ZAGUEIROS: Yohann WACHTER, Wesley LAUTOA, François BELLUGOU e Lamine KONÉ;
VOLANTES: Didier N'DONG e Rafidine ABDULLAH;
MEIAS: Raphaël GUERREIRO, Walid MESLOUB, Romain PHILIPPOTEAUX e Maxime BARTHELMÉ;
ATACANTES: Gianni BRUNO, Sadio DIALLO, Jordan AYEW e Benjamin JEANNOT;
TÉCNICO: Sylvain RIPOLL;
DESFALQUES: Fabien AUDARD, Mehdi MOSTEFA, Mathieu COUTADEUR, Yann JOUFFRE e Julien QUERCIA


Quer notícias diárias sobre o Lyon? Clique no banner abaixo e siga-nos no Twitter

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Goleiro Anthony Lopes brilha e salva Lyon de derrota para o PSG

Filipe Frossard Papini
@BrasiLyonnais / @FilipeDidi


Ainda na liderança, OL agora terá uma sequência de jogos mais tranquila para tentar se manter no topo




A 24ª rodada do Campeonato Francês tinha indícios de ser a mais importante da competição até agora. Colocava frente a frente os dois primeiros colocados em um confronto de 90 minutos onde aquele que levasse a melhor, ficaria na liderança. Com a derrota do Olympique de Marseille, o caminho estava livre para Lyon e PSG fazerem a festa dos torcedores no encerramento da rodada. Um empate deixaria a situação na mesma: Lyon líder com dois pontos de diferença dos outros dois concorrentes diretos. Uma vitória do PSG, dava a liderança ao clube multi-milionário. E uma vitória do OL poderia fazer com que o time se distanciasse ainda mais dos rivais e ganhar muita moral pro decorrer da temporada.

Sem seu principal jogador atualmente, o Lyon não poderia contar com Lacazette para tentar quebrar a defesa brasileira do time de Paris. Bisevac era outro desfalque importante. Este, por sua vez, já não volta nesta temporada. Uma lesão nos ligamentos do joelho o fará ficar de fora por até seis meses. Por outro lado, com o fim da Copa Africana de Nações, todos os jogadores que estavam lá retornaram: Zeffane (não relacionado para o jogo de hoje), Koné, Bedimo e N’Jie. Yattara, que disputou uma partida neste sábado, está descansando. Para a vaga de Lacazette, Fournier optou por N’Jie. Desse modo, Benzia e Cornet ficam no banco. Na zaga, quem herdou a vaga do sérvio foi Rose, que vem fazendo bons jogos. Koné voltou da CAN no banco. Abaixo, a formação do OL, com Gourcuff de titular novamente:




Ao contrário do Lyon, o Paris Saint-Germain não tinha muitos desfalques para o jogo de hoje. Blanc só não poderia contar com o já reserva Aurier, que disputara a final da Copa Africana de Nações no mesmo horário do clássico, e o machucado Javier Pastore – que é banco neste time parisiense. Dentre os titulares, o brasileiro Marquinhos acabou ficando com a posição na lateral direita, superando o próprio Aurier e o holandês inconstante Grégory van der Wiel. No meio de campo, Blanc, que armou o time no já tradicional 4-3-3, usou Matuidi, Motta e Verratti, deixando Cabaye e Rabiot na reserva. Na frente, o trio poderoso formado por Lucas, Cavani e Ibrahimovic era o maior medo de qualquer time francês. Confira abaixo a formação titular:




Mesmo com o Gerland abarrotado de torcedores do Lyon, o que se via nos primeiros 10 minutos foi um amplo domínio do time parisiense. Uma posse de bola incrível e o OL jogando praticamente no seu campo de defesa esperando as jogadas ofensivas do time visitante. Ibrahimovic chegou a balançar as redes logo no início, com assistência de Marquinhos. Mas a arbitragem, acertadamente, anulou o lance.


Imediatamente, o OL deu uma acordada. Explorando muito os seus jogadores velozes, o time conseguia chegar tocando a bola rapidamente e abusando a técnica de Fekir e Gourcuff para abrir espaços. Foi numa dessas que, em bola rebatida por David Luiz, o lance sobrou nos pés de Tolisso que arriscou de fora da área. O chute, que parecia fraco, acabou quicando perto de Sirigu e bateu na trave. A torcida se animava. Mas era o PSG quem agia em seguida. Ibrahimovic, no mano a mano com Rose e Umtiti, acabou achando Cavani passando pela direita. O uruguaio saiu de cara para o gol e foi interpelado de maneira excepcional por Anthony Lopes.

Aos 22’, o PSG teve mais uma enorme oportunidade para abrir o marcador e não conseguiu por detalhe. Thiago Motta cobrou escanteio no primeiro pau e, quando o lance parecia que não daria em nada, Cavani escorou de cabeça pra trás. O lance desarmou toda a marcação de bola parada do Lyon e sobrou livre para David Luiz cabecear sozinho. Ele acertou a bola mas errou o alvo e mandou a centímetros da trave direita de Lopes.


Menos de 10 minutos depois, o Lyon deu uma resposta extremamente positiva ao torcedor que estava lá presente e apoiando a todo instante. Em uma jogada de extrema frieza e habilidade de Nabil Fekir, o meia, dentro da área, conseguiu ter a calma para fazer uma assistência para Clinton N’Jie. O atacante camaronês finalizou com muita categoria e abriu o placar no Gerland! 1 a 0 e explosão de euforia nas arquibancadas.

Na volta do intervalo, o PSG voltou determinado a empatar a peleja. O Lyon entregava muitos passes na região intermediária do campo defensivo e permita as chegadas do time visitante. O que o time de Paris não esperava é que hoje era o dia de Anthony Lopes. O goleiro do Lyon fez, ao menos, umas quatro ou cinco intervenções providencias para evitar o empate no placar. Incrível o que fez o goleiro do Lyon.


Mesmo com Lopes reinando na partida, o OL não conseguia acordar para o jogo e parecia deixar o PSG querer mais e mais jogo. O time de Ibrahimovic e companhia parecia, a cada minuto, mais perto do gol. E fazia jus. Jogava melhor e pressionava muito. Fournier tentou mexer colocando Mvuemba no lugar de Ferri. Mas era uma troca seis por meia dúzia. Claro que Mvuemba tem mais saída de jogo mas, ainda assim, não era suficiente para mudar o panorama favorável ao PSG.

Em uma dessas jogadas de ataque do Lyon, sempre pelo lado direito do campo, Verratti recebeu dentro da grande área e tinha como bater pro gol. Meio atabalhoado, Rose tentou dar um carrinho na projeção e derrubou o italiano. Pênalti claro e cartão amarelo para... Fekir! O árbitro Clément Turpin se enrolou todo e amarelou o jogador errado. De todo modo, Ibrahimovic foi pra cobrança e Anthony Lopes defendeu. Turpin pegou avanço do arqueiro dos Gones e mandou repetir. Ibra não errou de novo e mandou no ângulo, empatando o jogo! 1 a 1 e uma vaia sonora no Gerland.


Após tomar o gol, o Lyon deu uma ligeira acordada na partida. Agora, tinha a necessidade de sair mais pro jogo. E foi isso que aconteceu. O segundo gol dos Gones quase saiu em jogada criada por N’Jie. Ele recebeu de costas e, como um pivô, prendeu, girou e achou Fekir passando. Ele não se deu conta de Thiago Silva e deixou o brasileiro pra trás. Na hora de arrematar, Marquinhos chegou na cobertura providencial e evitou o gol.

Percebendo um pouco da agressividade do Lyon, Blanc fez sua primeira alteração, colocando Lavezzi no lugar do apagado Lucas. O brasileiro foi muito bem marcado e, praticamente, não apareceu no jogo. Poucos minutos depois, foi a vez de Cabaye entrar no lugar de Cavani. O uruguaio também não se apresentou bem, mas a substituição não se justificava, uma vez que o PSG precisava da vitória e tirava um homem de frente para colocar um primeiro volante. Não à toa, Cabaye tomou um amarelo no seu primeiro minuto dentro de campo.


Faltando um pouco menos de dez minutos para o término da partida, Fournier fez sua segunda alteração e tirou N’Jie para colocar Benzia. O camaronês até fez uma ótima partida mas, em determinado momento da partida, começou a errar demais. Parecia um pouco afoito para esse tipo de jogo e, de certa forma, prejudicava os lances de ataque do Lyon. Benzia, apesar de também ter pouca idade, já tinha mais rodagem e poderia dar uma sossegada na posse de bola lá na frente.

Mas nada disso aconteceu. O plano do Lyon de tentar vencer o jogo estava bastante complicado. O PSG impunha um ritmo de jogo forte e uma pressão muito grande. Para evitar uma nova sequência de milagres de Anthony Lopes, o OL se recuou por inteiro e deixava os parisienses trocarem passes perto da área. Mas, desta vez, sem muito perigo. Fournier queimou sua última alteração no finzinho, colocando Ghezzal no lugar de Gourcuff, na tentativa de dar mais gás no ataque.


O máximo que aconteceu foi Ghezzal dar mais apoio defensivo pelo lado esquerdo e evitar, ainda mais, a pressão do time parisiense. Os visitantes foram melhores, tentaram até o fim, mas o OL foi extremamente competente defensivamente para evitar o resultado negativo. Destaque da partida para Anthony Lopes e Samuel Umtiti, que foram irrepreensíveis durante o jogo inteiro. Mesmo com o empate, o Lyon segue na liderança, coladinho com o... próprio PSG.

Saindo da sequência complicada de jogos, o Lyon agora dá uma respirada e enfrenta o Lorient, fora de casa, no dia 15 de fevereiro, próximo domingo, às 18h de Brasília. O OL continua defendendo a liderança da competição, agora, pela 25ª rodada da Ligue1. Estaremos acompanhando! Até lá!

FOTOS: Lequipe.fr / olweb.fr


MELHORES MOMENTOS:
video


Quer notícias diárias sobre o Lyon? Clique no banner abaixo e siga-nos no Twitter

sábado, 7 de fevereiro de 2015

[LIGUE1 14/15] 24ª rodada - Lyon x PSG

Filipe Frossard Papini
@BrasiLyonnais / @FilipeDidi


FOTO: olweb.fr

Depois de empatar com o Monaco e permitir a aproximação de PSG e Olympique de Marseille, o Lyon agora tem um confronto direto contra os parisienses para saber quem fica com a liderança da competição na 24ª rodada. O time do técnico Laurent Blanc vem, praticamente, com força máxima para bater os Gones no Stade Gerland. Os únicos ausentes são os reservas Serge Aurier e Javier Pastore.

O OL, sem a sua principal estrela, Alexandre Lacazette, tem a missão de bater o clube multi-milionário. Além da ausência do artilheiro, o Lyon também não poderá contar com Bisevac (machucado até o fim da temporada), Fofana, Grenier, Yattara (Copa Africana de Nações) e Dabo (suspenso). Por outro lado, conta com os retornos de Bakary Koné e Henri Bedimo, que retornaram da África.

O confronto entre Lyon e PSG acontece neste domingo (08/02), às 18h no horário de verão de Brasília. O SporTV2, a ESPN e a Watch ESPN (via internet) irá transmitir o jogo ao vivo. Abaixo, confira os relacionados pelos dois clubes.


LYON:

GOLEIROS: Mathieu GORGELIN e Anthony LOPES;
LATERAIS: Christophe JALLET e Henri BEDIMO;
ZAGUEIROS: Samuel UMTITI, Lindsay ROSE e Bakary KONÉ;
VOLANTES: Arnold MVUEMBA, Corentin TOLISSO, Jordan FERRI e Maxime GONALONS;
MEIAS: Nabil FEKIR, Rachid GHEZZAL, Steed MALBRANQUE e Yoann GOURCUFF;
ATACANTES: Maxwell CORNET, Yassine BENZIA e Clinton N'JIE;
TÉCNICO: Hubert FOURNIER;
DESFALQUES: Mouhamadou DABO, Milan BIŠEVAC, Gueïda FOFANA, Clément GRENIER, Alexandre LACAZETTE e Mohamed YATTARA


PARIS SAINT-GERMAIN:

GOLEIROS: Salvatore SIRIGU e Nicolas DOUCHEZ;
LATERAIS: Lucas DIGNE, MAXWELL e Gregory VAN DER WIEL;
ZAGUEIROS: MARQUINHOS, DAVID LUIZ, Zoumana CAMARA e THIAGO SILVA;
VOLANTES: Yohan CABAYE, Blaise MATUIDI, Adrien RABIOT, Thiago MOTTA, Marco VERRATTI;
MEIAS: Ezequiel LAVEZZI e LUCAS;
ATACANTES: Jean-Christophe BAHEBECK, Edinson CAVANI e Zlatan IBRAHIMOVIC;
TÉCNICO: Laurent BLANC;
DESFALQUES: Serge AURIER e Javier PASTORE


Quer notícias diárias sobre o Lyon? Clique no banner abaixo e siga-nos no Twitter

domingo, 1 de fevereiro de 2015

Monaco joga melhor, mas Lyon segura o resultado em branco no Louis II

Filipe Frossard Papini
@BrasiLyonnais / @FilipeDidi


Sem contar com Lacazette e perdendo dois jogadores por lesão durante o jogo, o resultado, pelas circunstâncias, foi positivo para o OL que agora enfrenta o PSG na próxima rodada em confronto direto pela liderança



A rodada, que começou na última sexta-feira, já era complicada para o Lyon. O primeiro indício de que seria difícil, era o fato de já ter que enfrentar o Monaco no Louis II. O time do Principado não sabe o que é uma derrota desde o final de novembro do ano passado e vem em ascensão na Ligue1. Depois, veio o fator Lacazette. O artilheiro do Francesão se contundiu e ficará de fora de, no mínimo três rodadas. Posteriormente a isso, Olympique de Marseille e Paris-Saint Germain venceram na rodada e encostaram no Lyon diminuindo a distância para apenas um ponto. O OL entrava em campo com a missão de vencer para não ter um confronto direto contra o PSG na próxima semana. Portanto, a partida tomava contornos de decisão por esses motivos.

Para enfrentar o Lyon, o técnico Leonardo Jardim tinha três retornos de atletas que estavam indisponíveis: Leyvin Kurzawa, Ricardo Carvalho e Yannick Ferreira Carrasco. Todos eles titulares. Por outro lado, tinha as ausências dos recém contratados Alain Traoré e Matheus Carvalho, além de Lacina Traoré (jogando pela Costa do Marfim) e Aymen Abdennour (jogando pela Túnisa), por fim Geoffrey Kondongbia estava de fora por lesão. Em campo, um Monaco diferente daquele que vimos na Ligue1 da última temporada mas, ainda assim, um time bastante forte. Os pilares eram o goleiro Subasic, o volante Toulalan, o meia Ferreira Carrasco e o atacante Berbatov. Abaixo, você pode ver como ficou escalado o ASM para o jogo deste domingo:




Além da já citada ausência de Lacazette, o Lyon não podia contar com Henri Bedimo (Camarões), Momo Yattara (Guiné), Mehdi Zeffane (Argélia), e Bakary Koné (Burkina Faso). Com exceção de Yattara e Zeffane, que ainda disputam a Copa Africana de Nações, os demais já teriam condições de jogo, mas Fournier preferiu dar folga. Diferentemente de Clinton N’Jie, atacante que também estava com Camarões mas precisou ser relacionado devido a ausência do artilheiro do time. No mais, Clément Grenier e Gueïda Fofana ainda estavam no departamento médico que, por sua vez, liberou o retorno do zagueiro Lindsay Rose. Abaixo você pode ver como ficou o Lyon montando sem seu principal jogador:




O Stade Louis II não estava cheio – o que não é uma novidade – mas a torcida fazia muito barulho. Empurrava o time e sabia que o Monaco vivia um momento especial. Mas o jovem time do Lyon, aparentemente, não se importava com isso tudo. Entrava em campo como líderes e entrava com vontade. Nos minutos iniciais, o OL teve mais movimentação e quase marcou com Benzia. Os mais de 700 minutos do ASM sem sofrer gols parecia mero detalhe diante da postura dos Gones.


A primeira grande oportunidade de gol surgiu antes dos 15’ iniciais com um passe de Ferri, que achou Fekir entrando na área. O meia passou como quis pelo zagueiro brasileiro Wallace e parou na intervenção certeira de  Subasic. O Monaco respondeu logo em seguida com ótima jogada de Fabinho pela direita, levando até o fundo e achando Berbatov sozinho na área. O búlgaro foi displicente e cabeceou na trave, quando poderia ter calma para até dominar a bola se quisesse.

Após as duas sequências de perigo, o Lyon precisou queimar sua primeira alteração. Milan Bisevac, em disputa de bola, acabou sofrendo uma torção no joelho. Ele até tentou aguentar ficar mais tempo em campo e não aguentou. Pediu a alteração e acabou dando lugar para Lindsay Rose. Nesse momento, o OL tinha a dupla de zaga formada por dois jovens de 21 e 22 anos, respectivamente.


Aos 28’, o Lyon criou ótima oportunidade. Em escanteio do Monaco, Gourcuff aliviou o perigo dando um chutão pra frente. Lá na frente estava Fekir, que dominou e foi derrubado por Dirar. Falta marcada pelo árbitro na região intermediária. Para a cobrança, Corentin Tolisso se colocou a disposição e cobrou com muito efeito. Um chute forte que assustou o goleiro Subasic, que fez boa defesa e espantou o perigo.

Ainda antes do intervalo, o Monaco, assim como o Lyon, precisou queimar uma alteração ainda no primeiro tempo. Andrea Raggi sentiu algum incomodo na região do joelho e deixou o campo eufórico de raiva pela lesão. Posteriormente, deixou o banco de reservas com uma aplicação de gelo na região. Para o seu lugar, Leonardo Jardim optou pelo óbvio e acabou entrando o experiente zagueiro Ricardo Carvalho.


Na volta para o segundo tempo, o Monaco teve a oportunidade de abrir o placar e, por um pequeno detalhe, não conseguiu. João Moutinho cobrou uma falta de tiro livre indireto e acabou batendo cruzado pra área. A bola quicou por ali, Wallace tentou encostar nela, mas ela entrou pro gol sem que ninguém a tocasse. Anthony Lopes, que já estava batido no lance, rapidamente comunicou ao árbitro Benoît Millot que, acertadamente, anulou o gol.

Aos 15’ da etapa final, foi a vez do Lyon tentar mais uma vez marcar o seu gol. Em um lance de genialidade de Yoann Gourcuff, o meia abriu espaço e descolou uma assistência fantástica para Fekir aparecer entre os zagueiros monegascos. O meia, prensado pela defesa, conseguiu bater meio torno e a bola saiu pela linha de fundo em uma finalização que não parecia nem chute e nem cruzamento. OL perdia ótima chance.


Com o jogo se encaminhando para o fim, os treinadores foram mexendo. Fournier precisou trocar mais uma vez por lesão e Gourcuff  - claramente sentindo dores nas costas - deu lugar a Rachid Ghezzal. Depois foi a vez de Jardim colocar Anthony Martial no lugar de Nabil Dirar. Aos 35’ do segundo tempo, quem entrou foi o jovem Maxwell Cornet no lugar de Yassine Benzia, que não conseguiu aproveitar a chance que teve hoje.

Em determinado momento do jogo, o árbitro Benoît Millot não viu, mas poderia ter expulsado o brasileiro Wallace em lance fora de jogo. Umtiti tentou fazer uma jogada individual no ataque e acabou sendo desarmado. O zagueiro do OL caiu nos pés de Wallace e ficou sentido dores, antes do brasileiro dar continuidade ao lance, ele deu um pisão desnecessário em Umtiti que pode lhe render uma punição severa da LFP (veja AQUI como foi o lance).


Com a bola rolando, o Monaco já conseguia ser melhor que o Lyon dentro de campo. Tentava, botava uma pressão, mas ainda não conseguia botar tanto perigo assim. Em um lance de escanteio, o time da casa quase conseguiu marcar se não fosse a intervenção do goleiro dos Gones. João Moutinho cobrou o canto e Lopes saiu mal. Ainda assim, o arqueiro desviou com a ponta dos dedos. Wallace estava no segundo pau pronto para completar de cabeça e o desvio acabou sendo providencial.

Mesmo com quatro minutos de acréscimos, o Monaco, que no segundo tempo foi bastante superior ao Lyon, não conseguiu criar grandes oportunidades de gol. A única chance foi de Bernardo Silva, já aos 48’, da etapa final, quando recebeu de costas pro gol e bateu de primeira, por cima do gol. Era a chance de ouro de liquidar com o jogo... mas faltou calma e experiência para o português.


Por fim, Leonardo Jardim nem chegou a completar suas três alterações e o Monaco não conseguiu seu objetivo no jogo: a vitória. O OL segurou bem e, devido as circunstâncias, tanto de pré-jogo, como de jogo, o empate foi satisfatório. Mesmo que a distância para o segundo colocado tenha caído para somente dois pontos, empatar com o embalado Monaco, fora de casa, foi um grandioso placar.

O próximo jogo do Lyon é mais uma pedreira! O adversário da vez é o todo poderoso Paris-Saint Germain, no próximo domingo, dia 08/02, às 18h do horário de Brasília. A partida será válida pela 24ª rodada do Campeonato Francês e será no Stade Gerland. Até lá!

FOTOS: sport.fr / olweb.fr


MELHORES MOMENTOS:



Quer notícias diárias sobre o Lyon? Clique no banner abaixo e siga-nos no Twitter