domingo, 22 de fevereiro de 2015

Lyon desperdiça pênalti no último minuto, mas vence o Nantes pelo placar mínimo

Filipe Frossard Papini
@BrasiLyonnais / @FilipeDidi


Jogo marcou o retorno de Lacazette ao time, que contribuiu com a assistência para o gol de Fekir. OL segue na liderança




Foram três jogos, nenhuma vitória e nenhum derrota. O Lyon até conseguiu se virar bem sem Alexandre Lacazette. O artilheiro do time e da Ligue1 ficou de fora por três jogos devido a uma lesão na coxa e desfalcou o OL em partidas importantes, como Monaco e PSG, além do Lorient, que criou forte resistência contra o atual líder do campeonato. Hoje, diante do Nantes, no Stade Gerland, Lacazette estava de volta ao time. Era dúvida se começaria jogando ou se entraria no segundo tempo. Fournier não titubeou e escalou o atacante logo de cara. Diferentemente das rodadas anteriores, desta vez, o PSG não deu mole e já havia ganhado, ultrapassando temporariamente o OL na tabela. A responsabilidade de entrar em campo e vencer crescia e Lacazette tinha que mostrar pra torcida e para os críticos que estava de volta.

Com Lacazette mas sem Jallet. Para enfrentar o Nantes, Fournier contava com o retorno de seu principal jogador mas também perdia uma peça importante, que dava equilíbrio e bastante experiência no setor defensivo. Christophe Jallet sentiu dores no treinamento durante a semana e era ausência certa. Arnold Mvuemba, que começou jogando contra o Lorient, também teve problemas com lesão e ficou de fora. Dessa forma, Dabo assumiu a posição no lado direito, Ferri voltou pro meio de campo e Gourcuff, diferentemente de semana passada, desta vez começou jogando entre os titulares. Confira o time escalado pelo Lyon no começo da tarde deste domingo:




Para enfrentar o Lyon, o técnico franco-armênio, Michel Der Zakarian armou seu time no 4-2-3-1. Mas, assim como o OL, também tinha lá seus desfalques. Alejandro Bedoya e Johan Audel estavam ausentes. Ainda assim, não era um time que podemos dizer que estava remendado. O Nantes vinha praticamente com força total para enfrentar aquele que era o líder antes da rodada se iniciar. Até porque os três principais nomes do time estavam em campo: o centroavante Bangoura, o rápido Gakpé e o artilheiro da equipe na Ligue1, Veretout. Abaixo, você pode ver como ficou escalado o time de Der Zakarian que enfrentou o OL nessa 26ª rodada:




O Lyon parecia ter absorvido a responsabilidade de ganhar. E estar dentro de casa era primordial para entrar bem em campo e fazer o dever. Antes mesmo dos 10’ iniciais, o OL já tinha criado duas chances claras de gol. A primeira foi com Fekir após um cruzamento rasteiro de Dabo. O meia do Lyon recebeu sozinho na área e, de canela, acabou mandando por cima. Depois foi a vez do próprio Fekir fazer jogada individual, a bola rebater em Veigneau e sobrar de frente pro gol para Gourcuff arrematar. O camisa 8 chutou mascado e desperdiçou.


Mesmo ainda sem conseguir fazer o gol, o Lyon conseguia ter amplo domínio do jogo. Conseguia fazer uma posse de bola maciça, atingindo quase 70%. Mas isso não se convertia a finalizações. Até chegava bem perto da área adversária, mas pouco assustava o goleiro Riou. O time ainda dependia dos espasmos de qualidade de Lacazette, Fekir e Gourcuff. Mas eles não apareciam no primeiro tempo.

O Nantes só apareceu pela primeira vez aos 26’ de jogo. A teve uma chance clara de abrir o placar. O capitão Veigneau achou Gakpé se deslocando pela esquerda e descolou ótimo passe, nas costa de Dabo. Gakpé recebeu e avançou em velocidade já dentro da grande área. Na hora de finalizar, tentou colocar caprichosamente no canto esquerdo de Anthony Lopes. O chute de trivela passou a centímetros da trave, arrancando suspiros da arquibancada.


Aos 34’, o Nantes chegaria novamente com perigo. Foi a vez de Bangoura aproveitar uma falha da marcação do setor defensivo do Lyon, chegar na entrada da área e esperar a passagem de Cissokho pela direita. O lateral chegou e bateu de primeira. Mas o chute bateu na rede pelo lado de fora do gol de Lopes. Naquele momento, o OL já não dominava mais a partida e o Nantes era quem comandava o jogo no Gerland.

No momento em que o Lyon estava mais apagado no jogo, Fekir fez o time dar uma balançada. Aos 40’, o meia franco-argelino cobrou falta. Era muito mais para cruzamento do que cobrança direta. Mas ele preferiu bater pro gol. A bola fez uma curva enorme, com muito veneno e a bola explodiu na junção da trave com o travessão. O lance surpreendeu a todos e agitou mais a torcida dos Gones, que voltava a gritar.


Para a segunda etapa, o Lyon voltava melhor. Hubert Fournier parece ter dado uma injeção de ânimo nos vestiários e o OL voltou atacando mais. Logo nos primeiros momentos, Lacazette teve oportunidade em chute fora da área. Pouco tempo depois, foi a vez de Yoann Gourcuff descolar uma assistência com pura técnica para Lacazatte desperdiçar na entrada da área ao tentar fazer uma assistência para Fekir.

No desenrolar do segundo tempo, o Lyon criou várias pequenas oportunidades de gol. Seja de bolas paradas ou de jogadas individuais – quase todas elas criadas por Lacazette. Mas, ainda assim, era ineficiente para chegar a abrir o placar. Faltava um algo mais. Talvez inverter: deixar Fekir fora da área e Lacazette dentro dela. E o inverso acontecia de maneira inexplicável. Gourcuff também precisava afiar mais o passe.


Aos 22’ do segundo tempo, tudo se encaixou. Gourcuff afiou o passe e achou Lacazette fazendo o pivô. Ele escorou e esperou a passagem de Fekir. O camisa 18 recebeu e, mesmo pressionado pela defesa e pelo goleiro Riou, o meia do Lyon conseguiu empurrar para o gol, meio de letra, sem querer. A bola foi entrando bem devagar até no fundo das redes. Lyon na frente, 1 a 0!

Imediatamente após marcar o seu gol, o Lyon fez sua primeira alteração na partida. Precisando poupar Lacazette, que voltava de lesão, Fournier colocou Clinton N’Jie. Depois, foi a vez de Gourcuff dar lugar a Ghezzal. Der Zakarian também fez duas trocas. Entrou Bammou e N’Koudou para as saídas de Bangoura e Gakpé. Nenhuma das trocas fez mudar a formação tática das duas equipes, que se mantinham iguais dentro de campo. Depois foi a vez do jovem Iloki entrar no lugar de Bessat.


O Nantes teria os últimos dez minutos de jogo para tentar buscar o empate no Gerland. Tinha qualidade para isso. Poderia, inclusive, ter aberto o placar no primeiro tempo, antes mesmo do Lyon. Mas faltava qualidade no setor ofensivo. Qualidade de finalização. Faltava alguém pra chamar a atenção e criar um lapso de qualidade... em uma hipotética jogada individual. Ao invés disso, o Der Zakarian mandava homens pra área e alçava bolas.

Faltando pouco mais de cinco minutos para o término do jogo, Fournier mudou pela última vez e colocou Malbranque no lugar de Ferri.  A experiência do meia poderia fazer a diferença no finalzinho do jogo, uma vez que ele poderia segurar um pouco mais o jogo no meio de campo e poderia dar uma dinâmica totalmente diferente na troca de passes do setor. E foi exatamente isso que aconteceu. O Lyon não passou mais sufoco no jogo.


Muito pelo contrário. Quem quase marcou o gol foi o Lyon... e por várias vezes. N’Jie teve duas claras oportunidades e desperdiçou, Fekir também. E a melhor delas foi desperdiçada por Gonalons. Em lance que Fekir recebeu em profundidade, acabou sendo derrubado por Riou. O árbitro Fredy Fautrel marcou pênalti. Com Lacazette já fora e Fekir sentindo o tornozelo, o capitão chamou a responsabilidade e bateu pra fora. Mas já era o último lance do jogo e o OL garantiu a vitória pelo placar mínimo

Agora o Lyon terá uma sequência de três jogos fora de casa para seguir defendendo a liderança. E o primeiro deles será contra o Lille, no Pierre-Mauroy. O jogo será no próximo sábado, dia 28/02, meio-dia, no horário de Brasília, valendo pela 27ª rodada da Ligue1. Até lá!

FOTOS: L'Equipe / fcnantes.com


MELHORES MOMENTOS:
video


Quer notícias diárias sobre o Lyon? Clique no banner abaixo e siga-nos no Twitter

Nenhum comentário:

Postar um comentário