sábado, 29 de agosto de 2015

Fekir brilha, marca três e OL humilha o Caen

Filipe Frossard Papini
Twitter: @FilipeDidi / Twitter: @BrasiLyonnais
Facebook: /BrasiLyonnais / Medium: @BrasiLyonnais


Finalmente, o time estreia na temporada. Em jogo sem Lacazette, quem se destacou foi outra jovem promessa da Seleção Francesa: Fekir fez o que quis




O clima não é dos melhores em Lyon. Mesmo com a definição dos grupos na próxima Champions League, e o sorteio, teoricamente, ter sido generoso com o time heptacampeão francês, a fase continua não sendo boa. Nos últimos três jogos na Ligue1, o OL só venceu um, fora de casa, diante do Guingamp. Empatou em casa com o Lorient e perdeu, também no Gerland, para o Rennes. Agora, na quarta rodada, o adversário era o Caen, com um time muito bem preparado por Patrice Garande e que, dentro do Stade Michel D’Ornano poderia complicar ainda mais a fase meio nebulosa dos Gones.

O time da casa vinha quase completo para tentar abater o Lyon. Garande não contava com o lateral Imorou, o zagueiro Yahia e o  volante Voisin. Ainda assim, o time mantinha seus pilares e, principalmente no setor ofensivo, poderia causar bons estragos. Os experiente Féret e Bessat, ao lado dos jovens Louis e Delort era a arma que o Caen tinha em mãos para poder surpreender o time de Fournier. No banco, ainda tinha uma outra peça, ainda mais jovem que os dois titulares: Lenny Nangis. Ótima promessa que poderia ser um curinga na segunda etapa. Abaixo, o time do Caen para enfrentar o OL:




Pelo lado do Lyon, para completar a fase não muito boa, o time entrava em campo hoje sem seu principal jogador: Alexandre Lacazette. O artilheiro da última temporada sofreu uma lesão após o jogo contra o Rennes e deve voltar diante do Lille, no dia 12. Dessa forma, Beauvue ganha mais uma chance entre os titulares, jogando ao lado de Fekir, com Valbuena chegando por trás. Outra novidade ficava por conta do lado esquerdo. Bedimo chegou atrasado no treinamento desta semana e sequer foi relacionado. Morel jogava em seu lugar. No lado direto, Rafael ganhava a vaga, mesmo com Jallet já disponível. Sendo assim, o francês ficava no banco. Abaixo, a formação do OL:




Sol forte, estádio cheio e jogo disputado. Assim começou Caen x Lyon no Stade Michel D’Ornano. O time da casa chegava bem justamente com as peças já citadas, em especial Féret e Delort. Contudo, dessa vez, a zaga do OL parecia estar mais atenta do que no jogo contra o Rennes, por exemplo. Yanga-M’Biwa, especificamente, parecia mais acesso e isso contribuía bastante e positivamente.

O Lyon também incomodava. O trio ofensivo formado por Valbuena, Fekir e Beauvue conseguia trocar bons passes, mas o entrosamento jogava contra e, muitas vezes, a jogada perdia seu ritmo intenso e esses homens de frente se viam na situação de ter que voltar a bola aos jogadores mais recuados. Fekir, definitivamente, era o jogador mais lúcido e que mais conseguia se destacar.

E foi dos pés dele que o placar foi aberto. Em jogada que começou na saída de bola do Caen, que não soube sair com competência. Claudio Beauvue recuperou na região intermediária, prendeu e esperou a passagem de Fekir pela esquerda. O bom passe já deixou o meia-atacante do Lyon em condições de partir pra cima do defensor, não tomar conhecimento da marcação e e finalizar ao entrar na área. 1 a 0!

Depois de sofrer o gol, o time de Garande se viu na obrigação de tomar iniciativa do jogo e conseguia se sobrepor ao jogo do Lyon. O time da casa chegou por duas vezes com muito perigo. A primeira, com um contra-ataque puxado por Delaplace, Anthony Lopes parou o meia adversário que seguiria sozinho em direção ao gol. Depois, em bola parada, Lopes interceptou um desvio de Umtiti, que por pouco não marcou contra.

Apesar da postura mais recuada, o Lyon ainda conseguia chegar em momentos espaçados depois que marcou seu gol. Antes mesmo das duas chegadas do Caen, Mathieu Valbuena quase dobrou o placar em uma jogada quase despretensiosa. Após troca de passes na entrada da área, o baixinho chutou com força, a bola desviou no zagueiro do Caen e, por pouco, não complica a vida de Vercoutre, que foi pego no contrapé. A bola saiu pela linha de fundo.

Quando parecia que o Caen queria esboçar sua reação, com Delort cobrando falta ensaiada no travessão, o Lyon respondeu com um golaço de Nabil Fekir. Ele recebeu um passe magistral de Tolisso, avançou pela esquerda, fez o que quis pra cima do lateral Alhadur, com direito a dois dribles desconcertantes e, na hora de finalizar, colocou com toda a categoria pro gol. A bola tocou na trave antes de entrar. Perfeito! 2 a 0 e intervalo de jogo.

Na segunda etapa, quando parecia que o Caen esboçaria uma reação para fazer bonito para a torcida que lotava o estádio, acontecia o contrário. Apesar de se portar de maneira mais recuada, o Lyon era quem dominava o jogo. A superioridade tática e técnica gritava mais alto e isso, hoje, se tornou o diferencial na partida. Fekir e Valbuena se comportavam em um nível muito acima dos adversários.

E foi nos pés deles que o terceiro gol apareceu. Jogada construída novamente por Tolisso, passando por Beauvue até chegar a Valbuena. O baixinho da camisa 19 deixou um marcador no chão, cortou para o lado oposto do pé de finalização e descolou uma assistência para Nabil Fekir. O jovem do Lyon nem dominou. Só esperou o momento certo e fuzilou Vercoutre. Era o terceiro gol dele na partida! Hat-trick.

Com a partida já em mãos, o Lyon sofreu uma pancada considerável perto dos 25’ do segundo tempo. Corentin Tolisso, que vinha fazendo uma partida brilhante até então, sentiu dores na coxa e caiu sozinho no gramado. Certamente uma lesão que o tirará dos campos por um bom tempo, já que, notadamente, foi alguma distensão muscular. Para o seu lugar, na partida, entrou Arnold Mvuemba.

Aos 30’ da etapa final, a situação do Caen, que já estava ruim, ficou pior. Em jogada sem muito perigo, no meio de campo, o zagueiro Damien Da Silva chegou firme e com uma força desproporcional no atacante Claudio Beauvue. O árbitro Nicolas Rainville, que geralmente é de diálogo, não quis nem saber de conversa e mandou o defensor para o chuveiro mais cedo, direto. SMC com um a menos e com uma desvantagem enorme no marcador.

Já nos minutos finais, os treinadores voltaram a mexer. No Caen, entrou o veterano Seube no lugar de Féret – que começou o jogo bem e não conseguiu manter o ritmo. Fournier também trocava. Dava um descanso para Valbuena e colocava o jovem Maxwell Cornet. Jallet também entrava no lugar de Rafael. Garande, já conformado com o placar, sequer queimou sua última alteração.

Já no apagar das luzes, quando o jogo já parecia estar estagnado, Claudio Beauvue surpreendeu todo mundo. Ferri começou a jogada no meio de campo e tentou esticar o passe para o atacante. No meio do caminho, a bola desviou em Fekir que, sem querer, acabou dando a assistência para Beauvue que, no bico da área, não quis nem saber. Bateu forte dali mesmo e colocou no ângulo de Vercoutre. 4 a 0, fora o baile! Gigantesca vitória do Lyon para voltar a dar moral pro elenco.

Os times agora param por uma semana em função das datas FIFA. Tempo para ver Valbuena, Fekir e Lopes atuando por suas respectivas seleções. Posteriormente, o Lyon volta ao campo no dia 12 de setembro. O adversário será o Lille, no Gerland. Jogo válido pela 5ª rodada da Ligue1! Até lá.

FOTOS: L'Equipe / olweb.fr 


OS GOLS DA PARTIDA:
video


Quer mais informações sobre o Lyon via BrasiLyonnais? Clique nos botões abaixo e siga-nos!


Nenhum comentário:

Postar um comentário